destaque!

RN governado pelo PT, tem dívida milionária, pode chegar a 290 milhões de reais, e perder repasses do governo federal por inadimplência

O Rio Grande do Norte já deixou de pagar este ano 83 milhões de reais de parcelas de empréstimos que deve a quatro bancos. Mas até o fi...





NO NORDESTE: 500 mulheres do Bolsa Família rejeitam emprego em indústria têxtil

(Sem Deus não há vida, sem família não há base para nada...)



Por; Rosinaldo Pereira



NO NORDESTE: 500 mulheres do Bolsa Família rejeitam emprego em indústria têxtil





O SID têxtil (Sindicato da Indústria Têxtil) em parceria com o Governo do Estado cearense ofereceu recentemente um curso de formação para costureira, exclusivamente para as mulheres inscritas no programa Bolsa Família do Governo Federal. Foram ofertadas 500 vagas para o curso, e após o término a pessoa já tinha uma vaga de emprego garantida na empresa, inclusive com carteira assinada, mas as beneficiadas pelo programa social não aceitaram a proposta, pois, não arriscariam perder o incentivo do presidente.




Segundo informações, o sindicato da indústria têxtil do Ceará firmou um acordo com o Governo daquele Estado, para coordenar um curso para formar costureiras, e em contra partida, o governador Cid Gomes (PSB) exigiu que a formação atendesse o grupo de 500 mulheres que recebem o Programa Bolsa Família.



Negociação 
As informações foram prestadas por Thiago Damião, membro do SID têxtil. E informou também que a negociação entre o governo cearense e o sindicato foi nos seguintes termos: O Estado entrou com os recursos, o SENAI com a formação das costureiras, e o sindicato com o compromisso de enviar o cadastro das formadas as inúmeras indústrias do setor para dar emprego as novas costureiras.
O curso teve duração de 120 horas aula. Os cadastros foram entregues as empresas que se prontificaram para efetuarem as contratações, mas para a surpresa do sindicato, das 500 costureiras que participaram do curso nenhuma delas aceitou o emprego, por que ao assinar a carteira de trabalho elas perderiam o Bolsa Família.




Em média, a família carente do Nordeste, recebe R$ 90,00 do benefício social do Governo Federal, e o emprego que as empresas cearenses ofereceram era de 1 salário mínimo, com carteira assinada.
Segundo Damião, as novas costureiras só aceitariam o emprego se o pagamento fosse por fora, ou seja, na informalidade.





Seguir no twitter;

Continue lendo e deixe seu comentário....


-A esquerda quer nos calar! não deixe que isso aconteça, curta nossa página...


Deixe seu comentário aqui!


  • APÓS COMENTAR, VOLTE PARA CAPA
  • Compartilhe Agora




    1964 Pode voltar! -Inscreva-se no canal Pátria amada Brasil










    Bombando na WEB