terrorista Cesare Battisti, protegido por Lula e pelo PT, confessou quatro assassinatos,  mas pede desculpa a familiares

terrorista Cesare Battisti, protegido por Lula e pelo PT, confessou quatro assassinatos, mas pede desculpa a familiares



O terrorista Cesare Battisti, protegido por Lula e pelo PT, confessou quatro assassinatos

“Battisti confessou os crimes perante Alberto Nobili, que coordena o órgão antiterrorismo do Ministério Público de Milão, pouco mais de dois meses depois de ter sido extraditado à Itália para cumprir sua pena.



Segundo Nobili, a admissão confirma tudo o que está na sentença contra Battisti, incluindo os quatro homicídios e ‘uma maré de roubos e furtos para autofinanciamento’.

‘Eu falo apenas de minhas responsabilidades, não delatarei ninguém. Estou ciente do mal que fiz e peço desculpas aos familiares [das vítimas]’, afirmou Battisti, de acordo com o procurador, que acrescentou que a confissão é um ‘reconhecimento importante ao trabalho dos magistrados.'”

-Jamais veremos ninguém da esquerda que apoiou esse bandido pedindo desculpas.

Senado vai trocar CPI da Lava Toga por impeachment de Gilmar Mendes



Alguns senadores que apoiam a CPI da Lava Toga falam em trocá-la pela abertura de um pedido de impeachment de Gilmar Mendes.

Segundo o Valor, eles veem a medida como uma forma de “compensação”.



“Um dos principais articuladores da criação da comissão diz que o impeachment de Gilmar ‘acalmaria os ânimos’ na Casa. O impedimento do magistrado seria menos estridente que uma CPI sobre os tribunais superiores como um todo, diminuindo a crise institucional instalada no Congresso.”

O outro caminho cogitado pelos senadores, prossegue a reportagem, é transformar a CPI da Lava Toga numa espécie de CPI de Gilmar Mendes.

Faustão detona o presidente Jair Bolsonaro, e ator convidado defende

Faustão detona o presidente Jair Bolsonaro, e ator convidado defende



Faustão quebra protocolo da Globo e manda recado ao vivo para Jair Bolsonaro: “Não tem competência”

O Domingão do Faustão completa 30 anos na próxima terça-feira (26), e em clima de festa, Faustão levou alguns convidados ilustres, como Ana Maria Braga e Marcello Novaes. Conhecido por não ter papas na língua, vez ou outra Fausto Silva se esquece que está ao vivo e acaba falando demais. 



Em uma das duas declarações polêmicas, ele quebrou o protocolo e mandou aquela indireta com endereço marcado para o presidente da república, Jair Bolsonaro.

Tudo começou em umas das suas muitas falas sobre política, ele virou para a câmera e mandou na lata: “Se não tem competência que peça demissão“. Foi a frase usada por ele enquanto abordava o assunto sobre a forma em que o país está sendo conduzido. Nas redes sociais, os internautas pegaram a indireta e uns concordaram com o apresentador da Globo, já outros, não gostaram nada e soltaram o verbo.



“A tv globo e o Rodrigo Maia querem dinheiro e cargos,mas isso o presidente já falou que não vai dar!!!!“, detonou um. “Faustão irresponsável falando mal do país, mas ficou milionário aqui no Brasil. É um mal agradecido ao povo brasileiro que assiste as porcarias que muitas vezes enfia no povo goela abaixo“, cravou outro.

Canalha! Rodrigo Maia quer a "cabeça de Moro",  por reforma da Previdência

Canalha! Rodrigo Maia quer a "cabeça de Moro", por reforma da Previdência



Rodrigo Maia está querendo duas cabeças. As de Onix Lorenzoni, da Casa Civil, e de Sérgio Moro, da Justiça. É uma espécie de chantagem emocional para fazer as pazes com o Palácio do Planalto e tocar a reforma da Previdência Social. 



O primeiro é um velho desafeto dentro do próprio partido, o Democratas. O segundo, porque, no entendimento da Salomé do Parlamento, confunde hierarquia. Jair Bolsonaro, porém, não estaria propenso a ceder. O presidente, garantem seus assessores, não é do tipo que encarna Pôncio Pilatos. E na hora de separar o joio do trigo, vai preferir ficar com o ex-juiz da Lava Jato, que não tem penduricalhos na Justiça.

Rodrigo Maia ataca o Exército Brasileiro, Bolsonaro entra com tudo em defesa dos Militares

Rodrigo Maia ataca o Exército Brasileiro, Bolsonaro entra com tudo em defesa dos Militares



Se o Brasil decidir, em qualquer cenário, apoiar uma eventual ação militar na Venezuela, nosso Exército será trucidado em menos de 24 horas. 



A declaração foi feita pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sugerindo que Jair Bolsonaro reavalie ‘qualquer ímpeto intervencionista’. Bolsonaro retrucou, e puxou as orelhas do deputado: 1) Maia está desprestigiando as Forças Armadas. 2) Em momento algum desejamos guerra, com quem quer que seja, afirmou o presidente da República.

Por essa, Maia não esperava. 


Irritados, Deputados do Centão ameaçam retaliar Bolsonaro aprovando um projeto que anula a isenção do visto para viajantes dos EUA




A revolta dos parlamentares

Irritados com a falta de articulação política do governo Bolsonaro e com a reação do PSL nas redes sociais à prisão de Michel Temer, deputados do Centrão ameaçam retaliar o governo no Congresso, registra a Folha.

Parlamentares de PP, PRB, PR e DEM passaram a discutir a aprovação de um projeto que anula a isenção do visto para viajantes dos EUA que visitam o Brasil.



A isenção unilateral da exigência de visto –que inclui, além dos EUA, Canadá, Austrália e Japão– foi anunciada por Jair Bolsonaro na sua visita a Washington, no início da semana.

Lideranças do centrão, que criticam a inexistência de reciprocidade por parte dos americanos, querem mandar um recado contra o que veem como desarticulação política do Planalto.

-Os parlamentas deixam claro que eles não querem o que é melhor para o Brasil, eles querem o que é melhor para eles e o partido político. 

Rodrigo Maia Boicota a reforma da Previdência de Bolsonaro, e pode Boicotar projeto anticrime de Moro



Rodrigo Maia atribuiu inteiramente a Jair Bolsonaro a responsabilidade de conseguir votos para aprovar a reforma previdenciária.

-Caro leitor! 
Vamos tratar o caso de Boicote a reforma da Previdência.
Assim que o presidente da Câmara tomou conhecimento que Centrais sindicais realizavam  protestos em São Paulo contra a reforma, Maia boicotou a reforma de Bolsonaro.



Ele disse à Folha de S. Paulo:

“O papel de articulação do executivo com o parlamento nunca foi e nunca será do presidente da Câmara. Eu continuo ajudando. Sei que a reforma da Previdência é fundamental e não abro mão dela. E concordo com o presidente: é preciso construir uma maioria de uma nova forma. Essa responsabilidade é dele”.

E concluiu:



“Quando ele [Bolsonaro] tiver a maioria e achar que é a hora de votar a reforma, ele me avisa e eu pauto para votação. E digo com quantos votos posso colaborar”.

-Ele, [Rodrigo Maia] já demonstrou indisposição e pode também boicotar o projeto anticrime do Ministro da Justiça e segurança pública Sergio Moro.

Bretas surpreende com prisão de Temer, nem o Gilmar pode solta-lo

Bretas surpreende com prisão de Temer, nem o Gilmar pode solta-lo



Nem o STF, Supremo Tribunal Federal ou outra instância superior da Justiça deve conceder habeas corpus para livrar Michel Temer da prisão. Esse é o entendimento do juiz Marcelo Bretas, da Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro. 

Segundo ele, o ex-presidente foi preso não por suposto envolvimento na Lava Jato. Além disso, não está relacionada a fatos políticos. Temer foi preso por corrupção no sistema das usinas nucleares de Angra.



Como não há nenhuma relação (da prisão) com a Operação Calicute, braço direito da Lava Jato no Rio, Bretas espera que o ministro Gilmar Mendes, que trata o assunto no Supremo, não ceda a nenhum impulso e mande soltar o ex-presidente da República. Na pior das hipóteses, não haverá espaço para que eventuais recursos apresentados pela defesa de Temer sejam analisados por Gilmar.



Mendes é o relator no STF de todos os casos conexos com a Calicute. “Apenas para evitar confusões a respeito da competência para eventual impugnação desta decisão, repito que estes autos guardam relação de conexão e continência com a ação penal derivada da denominada operação Radioatividade e seus vários desdobramentos”, afirma Bretas



 Rodrigo Maia silencia com resposta de Moro, "o povo brasileiro não aguenta mais"

Rodrigo Maia silencia com resposta de Moro, "o povo brasileiro não aguenta mais"



Sergio Moro respondeu com uma nota, depois de ter sido chamado por Rodrigo Maia de “funcionário de Bolsonaro” e ter sido acusado pelo presidente da Câmara de ter copiado o texto do projeto anticrime apresentado por Alexandre de Moraes, ainda no governo de Michel Temer.

Leia:



“Sobre as declarações do Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, esclareço que apresentei, em nome do Governo do presidente Jair Bolsonaro, um projeto de lei inovador e amplo contra crime organizado, contra crimes violentos e corrupção, flagelos contra o povo brasileiro. A única expectativa que tenho, atendendo aos anseios da sociedade contra o crime, é que o projeto tramite regularmente e seja debatido e aprimorado pelo Congresso Nacional com a urgência que o caso requer. Talvez alguns entendam que o combate ao crime pode ser adiado indefinidamente, mas o povo brasileiro não aguenta mais. Essas questões sempre foram tratadas com respeito e cordialidade com o Presidente da Câmara, e espero que o mesmo possa ocorrer com o projeto e com quem o propôs. Não por questões pessoais, mas por respeito ao cargo e ao amplo desejo do povo brasileiro de viver em um país menos corrupto e mais seguro. Que Deus abençoe essa grande nação.”


Moro tira a carta da manga e prisão do sogro de Rodrigo Maia acontece

Moro tira a carta da manga e prisão do sogro de Rodrigo Maia acontece



A prisão do ex-presidente Michel Temer na manhã desta quinata-feira (21) seria uma retaliação do ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).



Segundo informações apuradas pelo colunista Tales Faria, do UOL, deputados proximos de Maia suspeitam que as prisões sejam uma retaliação a Maia porque ocorrem um dia depois de Rodrigo Maia criticar duramente Sérgio Moro, por ter tentado apressar a votação do pacote de segurança que enviou ao Congresso.



Na quarta-feira (20), Maia disse que Moro "confundindo as bolas" e que copiou o projeto do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes.
No Twitter, Pedro Abramovay, diretor da Open Society Fundations para a América Latina e Caribe, foi mais longe e lembrou que o ex-ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, que também foi preso nesta quinta-feira, é sogro de Rodrigo Maia.

Assembleia do Rio dará posse a deputados presos "isso que chamo de impunidade"



A mesa diretora da Alerj decidiu hoje que vai dar posse aos seis deputados estaduais que estão presos, informa Gustavo Alves em Crusoé.

Cinco dos parlamentares foram detidos na Operação Furna da Onça. Com a posse, e a posterior convocação dos suplentes, eles manterão os seus mandatos.

Leia trechos da reportagem Crusoé; 


"A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (foto) começou a sua legislatura com seis deputados presos, em 2019. E discutindo se eles poderiam ser empossados ou seus suplentes deveriam substituí-los. A mesa diretora do Legislativo fluminense decidiu na tarde desta quinta-feira, 21, que os deputados presos serão empossados. Dos seis deputados estaduais eleitos e presos".

-Que absurdo! Por estas e outras que o Rio está no fundo do poço. Isso que chamo de impunidade.

STF está encurralado com medidas de Sergio Moro

STF está encurralado com medidas de Sergio Moro



Todo o pacote de medidas contra o crime elaborado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, modifica somente a lei ordinária, quando ele sabe muito bem que muitas dessas questões hoje vão parar no Supremo Tribunal Federal questionadas por sua constitucionalidade.

Se ele sabe disso muito bem, por que não propor mudanças na Constituição, que eliminem o futuro questionamento, dentro do STF, da validade da nova legislação?



Para obter mudanças constitucionais, o governo precisaria de uma votação de pelo menos dois terços no Congresso, mais difícil que maioria simples. Isso até poderia ser alcançado, com um bom trabalho no Legislativo. Moro, porém, preferiu não se arriscar a fazê-lo.

O ponto mais polêmico, que deve ser rediscutido pelo STF em sessão já marcada para o início de abril, diz respeito à prisão após a condenação em segunda instância.

Liberada pelo STF numa votação por 6 a 5 que alguns ministros agora querem revisar, ela é importante porque serviu de base para a prisão do ex-presidente Lula e outros condenados na Lava Jato. Graças a ela, também, o Ministério Público e a Polícia Federal passaram a ter mais força para pressionar investigados em crimes de corrupção, de modo a fazerem delação premiada. Com isso, a Justiça avançou mais rapidamente nos inquéritos para alcançar os seus mandantes.



Uma vez consagrada na Constituição uma correção que não deixe dúvidas sobre a possibilidade de prisão em segunda instância, Moro teria um amparo inequívoco, a salvo mesmo das interpretações que podem ainda vir de alguns ministros do STF. Como Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes, que se mostram claramente a favor de mandar soltar todo mundo, com base no princípio constitucional do esgotamento dos recursos para a prisão.

Esse princípio, interpretado ao pé da letra, é que leva os condenados com capacidade para pagar advogado em recurso após recurso a permanecerem impunes, num processo interminável. É o caso de gente como o ex-deputado e governador de São Paulo, Paulo Maluf, preso por crimes antigos somente aos 86 anos, e depois enviado para casa como indulto humanitário, para tratar da saúde já em estado crítico.



Caso consiga aprovar seu pacote que muda a lei penal no Congresso integralmente, Moro na prática colocará o STF na parede. Ou o tribunal cede e reconfirma sua interpretação que dá sustentação à Lava Jato, ou terá de enfrentar uma fúria popular jamais vista. É essa força, tanto a cadeira no Ministério, que dão ao ex-juiz transformado em cavaleiro da esperança o poder não mais de dar apenas uma sentença, como mudar todo o sistema.



Será uma decisão de alto desgaste para o STF bloquear a Lava Jato. O vetusto tribunal já não conta com grande popularidade por seu histórico, como a decisão do ministro Marco Aurélio Mello de soltar Lula e mais 150 mil presos em segunda instância, no apagar das luzes do ano judiciário de 2018 - medida suspensa em tempo pelo presidente da instituição, Dias Toffoli, na mesma noite.

A desautorização de Mello por Toffoli é mais uma entre as várias reviravoltas dentro do STF, que vão se tornando deslustrosas para a imagem e a autoridade da instituição.



Gilmar Mendes e Ricardo Lewandovski, dois defensores da interpretação radical-purista da Constituição, também não gozam de grande popularidade, por votarem sistematicamente contra a Lava Jato - apesar da sua inegável contribuição para a destruição do vasto império da corrupção que ameaçava jogar o Brasil na lata do lixo da civilização.

Toffoli, ex-advogado do PT, levado ao STF pelo ex-presidente Lula, apesar da sua intervenção salvadora no ano passado, também não figura entre os ministros nos quais a grande maioria da população depositaria toda a sua confiança.



Complicou-se ainda mais quando tentou impor o voto secreto para a presidência do Senado, a pedido do único interessado nisso, o senador e candidato ao cargo, Renan Calheiros, que buscava utilizá-lo para se manter a salvo da Lava Jato.

Ao ajudar Calheiros, com um despacho emitido no meio da madrugada de sábado para domingo, Toffoli não apenas se colocou ao lado do senador das sombras, no seu esforço para salvar-se da Justiça, como foi também desautorizado publicamente da forma mais acintosa.



Ao abrirem seus votos no plenário, apesar da determinação judicial pela votação secreta, e contra a ameaça de punição pelo regimento da Casa, os senadores não apenas proclamaram sua independência do Judiciário como amarrotaram e jogaram no lixo a ajudinha de Toffoli, tornando seu gesto, além de suspeito, sem nenhum efeito.



Dentro desse quadro, Moro conta que o STF venha a manter seu apoio à Lava Jato, como votado anteriormente. Caso contrário, o poder do tribunal, que já vem sendo questionado nos últimos anos, poderá voltar-se contra ele mesmo. Mais uma reviravolta desse calibre tirará a legitimidade de suas decisões, com consequências nefastas sobre todo o Judiciário, capaz de ruir a partir do topo da pirâmide até o rés do chão. (arepublica)

Nunca na história do país uma operação da PF prendeu um presidente, "a lava jato já prendeu dois"



Nunca na história do país uma operação da PF prendeu um presidente da República, a operação lava jato já prendeu dois.

O ex-presidente Michel Temer foi preso em São Paulo na manhã desta quinta-feira (21) pela força-tarefa da Lava Jato.



Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro.

Enquanto isso, o ex-presidente Luis Inácio lula da Silva se encontra preso cumprindo pena na sede da polícia federal em Curitiba. -lula foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 

-A lava jato não pode parar! ainda tem mais.


TEMER ACABA DE SER PRESO PELA LAVA JATO





Atualizado; 12;07 hrs -Pronto: Moreira Franco acaba de ser preso no Rio de Janeiro.


O ex-presidente Michel Temer foi preso em São Paulo na manhã desta quinta-feira (21) pela força-tarefa da Lava Jato.



Um mandado contra o sogro de “Botafogo” – o ex-ministro Moreira Franco - também deverá ser cumprido nas próximas horas.Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro.
URGENTE! STF determina busca e apreensão em inquérito sobre críticas a ministros do STF, veja os endereços

URGENTE! STF determina busca e apreensão em inquérito sobre críticas a ministros do STF, veja os endereços



O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou medidas de busca e apreensão no inquérito que investiga notícias falsas e ataques a ministros da Suprema Corte. As ações estão sendo cumpridas pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (21) em endereços de suspeitos em São Paulo e Alagoas. 



As informações foram reveladas pelo site G1 e confirmadas pelo Broadcast/Estado.Na noite desta quarta-feira, 20, Moraes designou dois delegados para trabalhar nas investigações, um da Polícia Civil de São Paulo, da divisão de inteligência da corporação que auxiliará nas investigações das redes, e outro da PF especializado em repressão a crimes fazendários.