URGENTE! MATÉRIA EM DESTAQUE

LEIA O TEXTO COMPLETO QUE BOLSONARO COMPARTILHOU E FERVEU TODOS OS PODERES

Por; Rosinaldo Pereira  Bastaram 5 meses de um governo atípico, “sem jeito” com o congresso e de comunicação amadora pa...

Em defesa de Bolsonaro, Senador Kajuru quer saber Quem está no Congresso, defendendo o ‘toma lá, dá cá’?



"Quem está impedindo o presidente de governar?"



Por; Rosinaldo Pereira 



O senador Jorge Kajuru, do PSB de Goiás, vai protocolar em instantes um requerimento ao ministro Onyx Lorenzoni, pedindo que Jair Bolsonaro explique e detalhe críticas feitas ao Congresso.

No ofício ao qual O Antagonista teve acesso em primeira mão e agora o "Jornal 21 Brasil" está repassando para a sociedade, Kajuru faz 4 perguntas que a sociedade quer saber, São elas:



“1. Que conchavos são estes propostos ao presidente e aos seus articuladores políticos?
2. Que partidos e/ou parlamentares estariam agindo de forma não republicana na relação com o Executivo?
3. Quem está, no Congresso Nacional, defendendo o ‘toma lá, dá cá’?
4. Quem está impedindo o presidente de governar?”



“Os parlamentares honestos, entre os quais eu me incluo, não podem ser jogados na vala comum em que chafurdam deputados e senadores que colocam seus interesses pessoais acima das obrigações institucionais”, argumenta Kajuru, na justificativa do ofício.

Veja também; 





Centrão acaba de dá uma rasteira no governo Bolsonaro








Centrão acaba de dá uma rasteira no governo Bolsonaro





"Uma reforma previdenciária alternativa, não é nada bom, é praticamente um golpe"



Por; Rosinaldo Pereira



O Centrão deu uma rasteira no governo ao propor uma reforma previdenciária alternativa.

Um assessor de Jair Bolsonaro disse a Gerson Camarotti, segundo O Antagonista:

Diante da possibilidade de perder o controle do texto, é melhor negociar.”



Pois bem! -Para o Centrão, o que seria "negociar"? Seria trocar aprovação das medidas em troca de Ministérios? Ou empregos nas estatais para seus apadrinhados?  -O que vocês acham? 

Opinião; -Não é necessário negociar com nenhum desses [........] "todo poder emana do povo" Presidente.  -Use cadeia Nacional de Rádio e TV, não negocie, seja firme!. 

Veja também; 

Militares percebem algo estranho e avisam que 1964 pode voltar e salvar Jair Bolsonaro

Seguidores de Bolsonaro reagem a Janaina Paschoal; Cale sua boca, não atrapalhe!








Por; Lenilson Soares /colunista


Os seguidores do presidente Jair Messias Messias bolsonaro, se revoltaram contra a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL), sobre o seu "posicionamento contrário" em relação a convocação da sociedade pelo presidente Jair Bolsonaro em redes sociais para o dia 26, e vem sendo bombardeada nas redes sociais pelos defensores do Brasil.



Depois que a deputada Janaína Paschoal se declarou contra a manifestação os seguidores de  Bolsonaro se posicionaram contrário as argumentações da deputada.

E não perdoaram, saíram em defesa do Capitão contra a deputada Janaína, no Twitter, Facebook, e Instagram, a Parlamentar, recebeu uma avalanche de críticas dos bolsonarianos.

Veja alguns comentários.

                     Instagram.








Facebook.








Twitte.








-Deixe sua opinião... 

Militares percebem algo estranho e avisam que 1964 pode voltar e salvar Jair Bolsonaro






Por; Rosinaldo Pereira /colunista




Cresce no meio militar a preocupação com ações dos poderes Legislativo e Judiciário supostamente para ‘colocarem água’ no chopp de Jair Bolsonaro. Em outras palavras, há um movimento detectado por diferentes setores para tentar desestabilizar o governo.

Essa preocupação foi manifesta em grupos de WhatsApp pelo major-brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez, neste fim de semana. Ele voltou a citar uma ‘sucuri de duas cabeças’, representada “pelo Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional”, que “tramam e apertam seu abraço letal” em torno do presidente.


Depois de lembrar que o Supremo ‘é a casa da Mãe Joana’ e o Congresso Nacional ‘um covil de Ali Babá e seus quase 594 ladrões’, o militar denuncia “uma trama diabólica” capaz de promover “o desmonte de um projeto (do presidente Jair Bolsonaro) que quer beneficiar 60 milhões de brasileiros”.

Jaime Sanchez acusa a grande mídia de patrocinar esse golpe. “Os grandes veículos estão falidos e não mais mamam nas tetas do governo”, acusou. O objetivo, segundo o militar, é desviar a atenção, criando fakes news onde os alvos são o presidente, seus parentes e o próprio governo.

“Enfiam-nos (os veículos da grande mídia) em nossas goelas notícias requentadas e distorcidas; temas controvertidos, incompatíveis com a moral das famílias tradicionais; apologia ao sexo, exibindo cenas envolvendo idosos, crianças e homossexuais; vulgarização do tráfico de drogas e exaltação à corrupção, apresentados em horários inclusive infantis”, pontua o major-brigadeiro.


Na interpretação do militar, “a estratégia dessa verdadeira máfia multi corporativa tem como ponto de partida impedir que o governo concretize suas promessas de campanha, desgastando a imagem de austeridade e anulando a expectativa de mudanças nos destinos do País”.

Jaime Sanchez cita como exemplos de alvos preferidos a reforma da previdência, a reestruturação do Estado e o projeto anticrime, encaminhados à Câmara dos Deputados. “Em contraposição, o governo tem adotado diversas medidas periféricas, visando o desaparelhamento da máquina, a poupança de recursos e a desarticulação dos esquemas de corrupção das instituições públicas”. Ainda assim, adverte, “essas medidas podem vir a ser obstadas no Congresso ou na Justiça”.


No texto que circula entre militares de alta patente, Jaime Sanchez considera como segundo passo dessa ‘ação nefasta’ a inviabilização do orçamento de 2019. “Querem reduzir as perspectivas de receita, através do esvaziamento da reforma da previdência e da reestruturação do Estado, bem como o incremento das despesas, com a aprovação do orçamento impositivo, elevando os gastos obrigatórios a 97% do total do orçamento”.

Com essa estratégia, continua o major-brigadeiro, querem desgastar a imagem do presidente com cortes de verbas para setores essenciais da sociedade e, como objetivo maior, forçar o governo a ultrapassar o limite de gastos permitidos, infringindo a lei de responsabilidade fiscal, o que abriria caminho para a instauração de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro”.

Jaime Sanchez também adverte para a iniciativa do PT de apresentar uma proposta de Emenda à Constituição destinada a impedir a assunção definitiva do vice-presidente (Hamilton Mourão) em caso de vacância do cargo. A situação fica ainda mais grave, enfatiza o major-brigadeiro, quando a base aliada e alguns outros elementos “comportam-se como o incrível exército de Brancaleone”. São, diz o militar, totalmente desarticulados ou inexperientes no jogo da política, “facilmente contaminados com a peste vermelha”.


Em sua análise, o major-brigadeiro salienta que a conjuntura caminha rapidamente para uma situação insolúvel, “uma vez que o presidente e sua equipe estão praticamente ilhados, à mercê da grande rede corporativa formada por políticos, juristas, empresários, intelectuais e funcionários públicos que irão agir unicamente interessados em preservar seus privilégios a qualquer custo, pouco importando o interesse daqueles que os elegeram e pagam seus vultosos salários”.

A persistir esse quadro, encerra Jaime Sanchez, a única saída será as Forças Armadas lançarem mão do Artigo 142 da Constituição Federal. O texto diz, resumidamente, que os militares poderão, sob a autoridade do presidente da República, interferirem para o bom desempenho dos poderes da República (Executivo, Legislativo e Judiciário) para “colocarem ordem na casa e atenderem aos anseios da sociedade, como foi feito em 1964”.

MBL quer criar partido político para disputar 2022 contra Jair Bolsonaro?





Por; Rosinaldo Pereira 




O MBL aguarda o sinal verde do TSE para começar a coletar assinaturas para a criação de um partido político.

A intenção do grupo é que a nova sigla possa disputar as eleições em 2022.



Kim Kataguiri disse ao Congresso em Foco que a ideia de criar um partido surgiu em 2017, quando foi aprovada a reforma que estabeleceu o fim das coligações entre partidos para eleições proporcionais.

-Então, já está tudo explicado. -O MBL (Movimento Brasil Livre) não participará das manifestações do dia 26, fala em criar um partido político, chama as manifestações de EXTREMA DIREITA, perdem mais de 200 mil inscritos no Youtube, querem em 2022 disputar provavelmente contra o presidente Jair Bolsonaro?. -Essa eu quero ver.

Veja também; 





MBL abandona a Direita e se alia ao Centrão, (vídeo) 


Até Janaina Paschoal está contra a manifestação no dia 26; "as ruas tem que estar vazias"


"Janaina Paschoal usou o Twitter"



Por; Rosinaldo Pereira 




Janaina Paschoal usou o Twitter neste domingo para pedir que os aliados de Jair Bolsonaro parem de convocar manifestações para o dia 26 de maio em apoio ao presidente.

“Eu não vou gravar áudios, nem vídeos, por uma razão: essas manifestações não têm RACIONALIDADE. O Presidente foi eleito para GOVERNAR nas regras democráticas, nos termos da Constituição Federal. Propositalmente, ele está confundindo discussões democráticas com toma-lá-dá-cá”, disse.



“Dia 26, se as ruas estiverem vazias, Bolsonaro perceberá que terá que parar de fazer drama para TRABALHAR!”, acrescentou.

“Pelo amor de Deus, parem as convocações! Essas pessoas precisam de um choque de realidade. Não tem sentido quem está com o poder convocar manifestações! Raciocinem! Eu só peço o básico! Reflitam!”

-Janaina! -cale sua boca...


Centrão quer mudar o texto original da reforma da previdência para prejudicar o governo.




Por; Lenilson Soares /colunista

O líder do Governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL), disse neste domingo (19) que não haverá um novo texto da reforma da Previdência elaborada pelos parlamentares e que a proposta do Executivo será mantida.

A declaração foi feito após o deputado conversar com o relator da reforma da Previdência na Comissão Especial, Samuel Moreira (PSDB-MG). No sábado (18), Vitor Hugo havia dito que poderia apoiar um ‘texto alternativo’, elaborado pelos parlamentares, se fosse semelhante ao que foi apresentado pelo Executivo.

“Eu conversei com o relator (da Previdência) e ele explicou que não haverá uma nova proposta. Um texto como este é complexo e é natural que se apresente um substitutivo já que qualquer pequena modificação pode obrigar a adaptação de toda proposta. Vamos dialogar para que se mantenha o texto encaminhado pelo governo, a sua essência”, afirmou Vitor Hugo.

Na sexta-feira (17), foi veiculado que os deputados poderiam propor um novo texto da reforma da Previdência, abandonando a proposta enviada por Bolsonaro após desgastes entre o Planalto e a Câmara, para adiantar os trabalhos de aprovação da PEC.

Ainda hoje, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, deve recebe na residência oficial o relator da reforma da Previdência Samuel Moreira, e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para discutir ajustes no texto que vai alterar as regras da aposentadoria no país. Na segunda-feira (20), Maia deve se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para tratar sobre o andamento da reforma e os próximos passos a serem adotados.

Opinião: a reforma é necessária, para que retome o crescimento com o livre mercado, e possamos ser uma nação próspera.

As informações são da Veja e O Antagonista.

STF tem pauta Bomba que podem afundar o Governo Bolsonaro "gastos de R$ 140 bilhões"




Em cenário de cortes, STF prevê mais gastos


Por; Rosinaldo Pereira 




"STF tem pauta Bomba que podem gerar gastos para o governo de R$ 140 bilhões"

O STF ainda tem na pauta quatro ações que podem gerar gastos extras para o governo de R$ 140 bilhões.



Elas envolvem discussões sobre o Fundef (fixação de valor mínimo nacional), LRF (repartição de receita), TR x inflação (precatórios) e Filantrópicas (benefícios fiscais).

-Parece que o Congresso e STF trabalham unidos para derrubar o governo. -Será? -É só uma opinião.

Os planos de Bolsonaro para um brasil Melhor, estão sendo sufocados por falta de conchavos com o Congresso






Por; Lenilson Soares /colunista 


  "Os planos de Bolsonaro para um brasil Melhor, estão sendo sufocados por falta de conchavos com o Congresso"




Um Texto compartilhado em grupos de WhatsApp e posteriormente por grandes sites em geral, o presidente da república Jair Messias Bolsonaro, relata que o país é ingovernável aonde o sistema antigo sufoca as ideias do presente, não deixando assim de fato o exercício da governabilidade mudarem os rumos de uma sociedade que precisa de mudanças radicais, para ser uma nação próspera, dinâmica e ampla em seus conceitos de desenvolvimento administrativo.

Diante de tamanha dificuldade administrativa em que o governo vem enfrentando, tendo de trabalhar dobrado contra o sistema arraigado de antigamente, no qual faz parte o poder judiciário, especialmente STF, e Poder legislativo,   Senado e Câmara Federal, estes se opõe ao desenvolvimento amplo na administração e não são favoráveis a mudanças para um Brasil melhor, colocadas por  bolsonaro, e o mesmo se viu obrigado a lidar com as situações e certas dificuldades para pôr o país nos trilhos do desenvolvimento, e não será fácil diante dos revés que o sufocam, que o faz reféns dos desejos próprios de cada setor administrativo da sociedade em conjunto que rege o País.

Sendo assim, com o tamanha dificuldade em continuar o seu projeto de mudança para o nosso Brasil, bolsonaro se ver obrigado em dias futuros a convocar a população a saírem as ruas, e pedir o artigo 142 ( intervenção militar) da constituição federal brasileira. Não vejo outra forma.

 Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.
Fim da conversa no bate-papo

Digite uma mensagem...





LEIA O TEXTO COMPLETO QUE BOLSONARO COMPARTILHOU E FERVEU TODOS OS PODERES









Por; Rosinaldo Pereira 




Bastaram 5 meses de um governo atípico, “sem jeito” com o congresso e de comunicação amadora para nos mostrar que o Brasil nunca foi, e talvez nunca será, governado de acordo com o interesse dos eleitores. Sejam eles de esquerda ou de direita.

Desde a tal compra de votos para a reeleição, os conchavos para a privatização, o mensalão, o petrolão e o tal “presidencialismo de coalizão”, o Brasil é governado exclusivamente para atender aos interesses de corporações com acesso privilegiado ao orçamento público.

Não só políticos, mas servidores-sindicalistas, sindicalistas de toga e grupos empresariais bem posicionados nas teias de poder. Os verdadeiros donos do orçamento. As lagostas do STF e os espumantes com quatro prêmios internacionais são só a face gourmet do nosso absolutismo orçamentário.

Todos nós sabíamos disso, mas queríamos acreditar que era só um efeito de determinado governo corrupto ou cooptado. Na próxima eleição, tudo poderia mudar. Infelizmente não era isso, não era pontual. Bolsonaro provou que o Brasil, fora desses conchavos, é ingovernável.

Descobrimos que não existe nenhum compromisso de campanha que pode ser cumprido sem que as corporações deem suas bênçãos. Sempre a contragosto.

Nem uma simples redução do número de ministérios pode ser feita. Corremos o risco de uma MP caducar e o Brasil ser OBRIGADO a ter 29 ministérios e voltar para a estrutura do Temer.

Isso é do interesse de quem? Qual é o propósito de o congresso ter que aprovar a estrutura do executivo, que é exclusivamente do interesse operacional deste último, além de ser promessa de campanha?

Querem, na verdade, é manter nichos de controle sobre o orçamento para indicar os ministros que vão permitir sangrar estes recursos para objetivos não republicanos. Historinha com mais de 500 anos por aqui.

Que poder, de fato, tem o presidente do Brasil? Até o momento, como todas as suas ações foram ou serão questionadas no congresso e na justiça, apostaria que o presidente não serve para NADA, exceto para organizar o governo no interesse das corporações. Fora isso, não governa.

Se não negocia com o congresso, é amador e não sabe fazer política. Se negocia, sucumbiu à velha política. O que resta, se 100% dos caminhos estão errados na visão dos “ana(lfabe)listas políticos”?

A continuar tudo como está, as corporações vão comandar o governo Bolsonaro na marra e aprovar o mínimo para que o Brasil não quebre, apenas para continuarem mantendo seus privilégios.

O moribundo-Brasil será mantido vivo por aparelhos para que os privilegiados continuem mamando. É fato inegável. Está assim há 519 anos, morto, mas procriando. Foi assim, provavelmente continuará assim.

Antes de Bolsonaro vivíamos em um cativeiro, sequestrados pelas corporações, mas tínhamos a falsa impressão de que nossos representantes eleitos tinham efetivo poder de apresentar suas agendas.

Era falso, FHC foi reeleito prometendo segurar o dólar e soltou-o 2 meses depois, Lula foi eleito criticando a política de FHC e nomeou um presidente do Bank Boston, fez reforma da previdência e aumentou os juros, Dilma foi eleita criticando o neoliberalismo e indicou Joaquim Levy. Tudo para manter o cadáver procriando por múltiplos de 4 anos.

Agora, como a agenda de Bolsonaro não é do interesse de praticamente NENHUMA corporação (pelo jeito nem dos militares), o sequestro fica mais evidente e o cárcere começa a se mostrar sufocante.

Na hipótese mais provável, o governo será desidratado até morrer de inanição, com vitória para as corporações. Que sempre venceram. Daremos adeus Moro, Mansueto e Guedes. Estão atrapalhando as corporações, não terão lugar por muito tempo.

Na pior hipótese ficamos ingovernáveis e os agentes econômicos, internos e externos, desistem do Brasil. Teremos um orçamento destruído, aumentando o desemprego, a inflação e com calotes generalizados. Perfeitamente plausível. Claramente possível.

A hipótese nuclear é uma ruptura institucional irreversível, com desfecho imprevisível. É o Brasil sendo zerado, sem direito para ninguém e sem dinheiro para nada. Não se sabe como será reconstruído. Não é impossível, basta olhar para a Argentina e para a Venezuela. A economia destes países não é funcional. Podemos chegar lá, está longe de ser impossível.

Agradeçamos a Bolsonaro, pois em menos de 5 meses provou de forma inequívoca que o Brasil só é governável se atender o interesse das corporações. Nunca será governável para atender ao interesse dos eleitores. Quaisquer eleitores. Tenho certeza que esquerdistas não votaram em Dilma para Joaquim Levy ser indicado ministro. Foi o que aconteceu, pois precisavam manter o cadáver Brasil procriando. Sem controle do orçamento, as corporações morrem.

O Brasil está disfuncional. Como nunca antes. Bolsonaro não é culpado pela disfuncionalidade, pois não destruiu nada, aliás, até agora não fez nada de fato, não aprovou nada, só tentou e fracassou. Ele é só um óculos com grau certo, para vermos que o rei sempre esteve nu, e é horroroso.

Infelizmente o diagnóstico racional é claro: “Sell”.

Autor desconhecido


-Se você apoia Bolsonaro, então compartilhe! para que chegue a outras pessoas. -Deus acima de tudo e todos.

O “doleiro dos doleiros”, chamado de “doleiro do PT”, vai delatar todo mundo, o banco que ele controlava “tinha 429 clientes entre políticos, esportistas e empresários”





Por; Rosinaldo Pereira


O banco que ele controlava “tinha 429 clientes entre políticos, esportistas e empresários”


Dario Messer, o “doleiro dos doleiros”, também chamado de “doleiro do PT”, está fechando um acordo com o MPF.



Segundo O Globo, sua mulher e seus filhos “já estão com suas delações assinadas e homologadas com a Justiça”.

Ele e seus familiares terão de pagar 44o milhões de reais.

O banco caribenho que Dario Messer controlava “tinha 429 clientes entre políticos, esportistas e empresários”.

E mais; Além de Dario Messer, outros dois doleiros presos — e depois soltos — na Operação Câmbio, Desligo, os irmãos Marcelo e Roberto Rezinski, vão delatar.

Segundo O Globo, Marcelo já fechou sua delação com o Ministério Público Federal.

Vai ser um estrondo.

-No entanto, é importante proteger os delatores, afinal, o Mecanismo para sobreviver é capaz de mata-los. Alguém duvida? 



Veja também; 


      DEM, PP, PR, MDB, PRB e Solidariedade, PSDB e Cidadania dizem ver uma  “janela de oportunidade” para isolar e derrubar Bolsonaro

Homem diz que Bolsonaro vai sofrer outro atentado, dessa vez é com bala (veja o vídeo)





Por; Rosinaldo Pereira /colunista


O que a esquerda mais quer, "é ver o fim de Jair Bolsonaro"

O Presidente eleito democraticamente pelo voto popular, Jair Messias Bolsonaro (PSL), venceu a eleição com mais de 57 milhões de votos válidos. Durante ato de campanha, o então presidente sofreu um atentado em Juiz de fora.  -Adélio Bispo de Oliveira, foi o autor que esfaqueou o presidente Jair Bolsonaro.



Adélio Bispo foi preso na tarde de 6 de setembro, logo depois de esfaquear o candidato à Presidência,[Bolsonaro..] que fazia campanha em uma rua do centro de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Bolsonaro teve de ser internado e passou por cirurgias, mas se recurou e passa muito bem.



Em um vídeo que circula na internet, e vem chamando a atenção de toda a sociedade, e Bolsonaro precisa levar a sério e dobrar sua atenção, um pastor por nome de Sandro Rocha, diz que viu em uma visão, o presidente da República sofrer outro atentado, dessa vez é com "bala". Ele disse ainda ter visto várias pessoas poderosas (deputados e um juiz, e também um General), querendo ver o fim do presidente. -O vídeo foi gravado no dia 14 de maio de 2019, em uma praia.

-Opinião do site "Jornal 21 Brasil", Bolsonaro está enfrentando o Império das trevas lá no Congresso Nacional.

-Assista o vídeo e tire suas conclusões;







DEM, PP, PR, MDB, PRB e Solidariedade, PSDB e Cidadania dizem ver uma “janela de oportunidade” para isolar e derrubar Bolsonaro






Por; Rosinaldo Pereira /colunista



DEM, PP, PR, MDB, PRB e Solidariedade, PSDB e Cidadania dizem ver uma  “janela de oportunidade” para isolar e derrubar Bolsonaro


Leia o que diz a reportagem da Folha de S.Paulo;

Novas turbulências que rondam o Palácio do Planalto, o presidente da Comissão especial da Câmara que analisa a proposta de reforma da Previdência afirmou nesta sexta-feira (17) que os líderes partidários podem apresentar uma proposta própria de alteração das regras previdenciárias.

Segundo Marcelo Ramos (PR-AM), a intenção dos deputados é evitar que erros políticos do Planalto contaminem a pauta econômica do país.
“Queremos proteger a pauta econômica da carga tóxica do governo”, afirmou o parlamentar à Folha.


As declarações de Ramos vieram no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro fez circular texto que diz que o Brasil é ingovernável fora dos conchavos, com fortes críticas ao Congresso, ao Judiciário e aos militares.

O movimento para que o Legislativo assuma o protagonismo vem sendo discutido há algumas semanas como uma resposta à avaliação de que Jair Bolsonaro não tem demonstrado disposição e capacidade de construir diálogo com deputados e senadores. 


“Tendo em vista o momento difícil que o país está vivendo, o Congresso tem uma grande oportunidade de se reconectar com a sociedade, liderando a agenda de reformas que o Brasil precisa”, disse Silvio Costa Filho (PRB-PE).

A articulação envolve os partidos do chamado centrão , como DEM, PP, PR, MDB, PRB e Solidariedade, além de PSDB e Cidadania.
Parlamentares que estão à frente das negociações dizem contar com o aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 



Eles dizem considerar que o momento é uma “janela de oportunidade” para o Congresso se livrar da agenda de costumes de Bolsonaro e avançar nas reformas da Previdência, tributária e no pacto federativo.

Opinião; -Ou as pessoas VÃO PARA AS RUAS demonstrar que não aceitam essa situação esdrúxula que Rodrigo Maia articulou, e que já está em pleno vapor, ou adeus “Governo Bolsonaro”.

-O presidente Jair Bolsonaro teve a coragem de convidar todos os apoiadores para IR as ruas de todo país; Leia aqui


Maria do Rosário pode ser cassada por vacilo dos próprios atos




Por; Lenilson Soares /colunista  

A cassação de Maria do Rosário é imprescindível, pois ela colocou em "xeque" todo o sistema do Estado, segundo Guillermo Federico Piacesi Ramos ao site jornal Cidade online.

A Deputada Maria do Rosário tem que ser cassada, para o bem do Parlamento Brasileiro. O que ela fez, na simulação de agressão do deputado, só não deu certo por causa do vídeo que o outro (deputado) estava gravando pelo próprio celular, para se precaver contra a dita cuja.

Foi esse vídeo que a desmascarou, e que fez com que não desse certo o seu intento de acusar injustamente de agressão o outro deputado.

A luta das mulheres contra a violência é séria, e tem dado resultados. A Lei Maria da Penha, não sei se sabem, é fruto de uma condenação que o Estado Brasileiro sofreu na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, por um processo aberto pela brasileira Maria da Penha, que sofreu agressões do marido, até tentativa de assassinato, e o Estado Brasileiro, mesmo instigado pela vítima, com as ocorrências policiais e os processos abertos contra o agressor, não fez nada para puni-lo.

Pois bem. Quando uma deputada federal finge ser agredida por um outro deputado, escondendo-se na sua suposta fragilidade física, para prejudicar um homem que não fez nada, ela coloca em xeque todo o sistema do Estado que confere proteção às mulheres, reconhecendo a sua situação de vulnerabilidade legal (porque, pela Lei Maria da Penha, tem situações em que pode bastar a palavra da vítima para afastar o agressor da própria residência, por exemplo).

Se Maria do Rosário não for exemplarmente punida por causa desse ato que ela provocou de forma dolosa (ou seja, com a intenção de causar dano), com a perda do mandato pela fraude que tentou perpetrar contra o sistema legal protetivo das mulheres, concedido pelo Estado, não se poderá, também, fazer nada contra a tal "ex-paquita" que se auto-mutilou para jogar a culpa no companheiro (ou marido), nas imagens que vimos recentemente.



Se essa "ex-paquita" merece ser punida, como todos dizem, então Maria do Rosario também merece. As duas, por fingirem ter sido vítimas de agressão masculina, têm que ser responsabilizadas pelo que fizeram, pois coloca em descrédito o próprio sistema jurídico que confere proteção à mulher vítima de violência, como já disse.



No sistema jurídico em que eu acredito, não existe situação de "dois pesos, duas medidas", e ninguém vale mais do que ninguém.

- Se não houve falta de decoro parlamentar pode rasgar o código de ética da casa.

MBL abandona a Direita e se alia ao Centrão, (vídeo)




Por; Rosinaldo Pereira /colunista


Centrão articula o esvaziamento dos poderes de Bolsonaro impondo restrições a Medidas Provisórias

Ou as pessoas VÃO PARA AS RUAS demonstrar que não aceitam essa situação esdrúxula que Rodrigo Maia articulou, e que já está em pleno vapor, ou adeus “Governo Bolsonaro”, que será substituído por “Governo Rodrigo Maia”, com seus “ministros de Estado” líderes dos partidos do Centrão.

Por que vocês acham que o MBL está exatamente com esse discurso contra a ida às ruas no dia 26, querendo esvaziar o movimento, dizendo que nós somos “golpistas” e “delinquentes”? Porque ele é “massa de manobra”, e não está enxergando a jogada contra Bolsonaro?


Não. Ele está longe de ser “massa de manobra”. É porque o MBL está junto com essas pessoas, está fechado com elas. Ele é parte do problema.
Veja o vídeo: