Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade


Flávio Bolsonaro diz que filha de juiz que deferiu medidas contra ele trabalha para Witzel (Vídeo)



Durante vídeo gravado pelo senador Flávio Bolsonaro, e publicado em suas redes sociais – onde ele presta esclarecimentos sobre fatos ligados à Operação do Ministério Publico deflagrada ontem (18) -, o filho mais velho do presidente da República insinuou que o juiz Flávio Itabaiana, o qual deferiu as medidas aplicadas contra ele, estaria atuando no interesse do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. No vídeo, o parlamentar fala que a filha de Itabaiana, Natalia Nicolau, trabalha para Witzel.



Indignado com o vazamento das informações sobre as investigações que apuram possível esquema de “rachadinha” no gabinete que Flávio ocupava quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ), o senador insinuou que todo o material divulgado pela imprensa só poderia ter sido vazado pelo Ministério Público do Rio ou pelo próprio juiz Itabaiana.

Flávio Bolsonaro fez duras críticas à atuação do magistrado na Vara Criminal do RJ, dizendo que ele já quebrou o sigilo fiscal e bancário de 95 pessoas, e que autoriza tudo o que o MPRJ pede sem ter o devido cuidado e análise. Fez questão de ressaltar a incompetência de Flávio Itabaiana, dizendo que não quer o foro privilegiado, apenas se vale dele por estar na Lei.



Em tom irônico, o filho de Jair Bolsonaro citou o fato de que a filha de Flávio Itabaiana trabalha há anos com Wilson Witzel, além de insinuar que ela poderia ser uma funcionária fantasma. “É uma boquinha que parece ser boa viu Ministério Público, vocês podem investigar”, disse. “Ouço falar que ela não aparece muita por lá não. Então era bom vocês investigarem se não tem um funcionário fantasma dentro do gabinete do governador”, completou o senador.



O parlamentar fez questão de destacar que os mandados de busca e apreensão foram executados, coincidentemente, após escândalos relacionados à campanha e ao Governo de Witzel. Citou casos onde o governador é acusado de fazer caixa 2 e de favorecer empresários da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (LOTERJ).


O QUE HÁ DE NOVO