destaque!

Veja-se na sua velhice aqui, Bolsonaro e companhia já aderiram a brincadeira

De políticos, como Flávio Bolsonaro, até celebridades, como Xuxa, milhares de pessoas se renderam à mais nova febre da internet: envelh...

INACREDITÁVEL! STJ soltar presos por atrapalhar investigações

(Sem Deus não há vida, sem família não há base para nada...)



Por; Rosinaldo Pereira



INACREDITÁVEL! STJ soltar presos por atrapalhar investigações 


O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu liberdade a todos os presos durante a Operação Esdras, suspeitos de participarem de um plano para tentar prejudicar as investigações sobre as interceptações clandestinas em Mato Grosso e tirar o desembargador Orlando Perri da relatoria do inquérito dos grampos no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). Posteriormente, os inquéritos foram remetidos ao STJ.

veja mais;

Ministro do STJ manda soltar ex-Casa Civil e mais seis acusados



Foram confirmadas pelas defesas as decisões favoráveis ao major da Polícia Militar Michel Ferronato; ao ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques; ao ex-secretário de Segurança Pública, delegado Rogers Jarbas; ao ex-chefe da Casa Militar, coronel PM Evandro Lesco, e a esposa dele, Hellen Lesco; ao ex-secretário de Justiça e Direitos Humanos, coronel Airton Siqueira e ao sargento João Ricardo Soler. Todos eles estavam presos desdo o dia 27 de setembro, quando a operação foi deflagrada.




A Justiça também mandou soltar o ex-comandante-geral da PM, Zaqueu Barbosa, e o cabo PM Gerson Corrêa, presos desde o dia 23 de maio por participação direta no esquema de grampos que era operado por policiais militares no estado, entre os anos de 2014 e 2015. Porém, como eles também tiveram mandados de prisão decretados dentro do inquérito policial militar, não deverão ficar em liberdade. O cabo da PM confessou sua participação no esquema. O coronel Zaqueu Barbosa, porém, nega.



O major Ferronato é suspeito de tentar aliciar e ameaçar o escrivão que atuava no inquérito policial militar que apura o esquema dos grampos, tenente-coronel José Henrique Costa Soares - e que, posteriormente, denunciou o caso à polícia. De acordo com as apurações, ele teria oferecido uma promoção ao escrivão para que ele ajudasse a "blindar" o secretário Rogers Jarbas das investigações e gravasse uma conversa com o desembargador Orlando Perri, usando uma microcâmera, a fim de afastá-lo das investigações. Ele nega as acusações . conteúdo; g1.globo



Seguir no twitter;

Continue lendo e deixe seu comentário....


-A esquerda quer nos calar! não deixe que isso aconteça, curta nossa página...


Deixe seu comentário aqui!


  • APÓS COMENTAR, VOLTE PARA CAPA
  • Compartilhe Agora