Parecia um crime perfeito; Alguém tentou se passar por Adélio na câmara dos deputados enquanto ele tentava matar Jair Bolsonaro

Por; Rosinaldo Pereira /colunista

Alguém tentou se passar por Adélio na câmara dos deputados enquanto ele tentava matar Jair Bolsonaro




Atualizado as 21;38 hrs -Polícia Legislativa diz que recepcionista registrou Adélio por engano e vai arquivar investigação


O diretor da Polícia Legislativa da Câmara, Paul Pierre Deeter, disse à Folha que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira na Câmara, no dia 6 de setembro.
Deeter afirmou que o funcionário, que não teve o nome divulgado, foi consultar no sistema eventual entrada de Bispo na Câmara, quatro horas após o esfaqueamento, e por engano registrou a entrada.


“O Adélio já estava preso nesse momento em Minas. Foi apenas um erro do recepcionista, que foi ouvido, mas não houve má fé ou qualquer outra situação que estão falando por aí”, afirmou o diretor.

A Polícia Legislativa informou que existem dois registros de entrada de Adélio Bispo de Oliveira na Câmara dos Deputados


Parecia um crime perfeito

A Polícia Legislativa informou que existem dois registros de entrada de Adélio Bispo de Oliveira na Câmara dos Deputados, no dia 6 de setembro. A data é a mesma do atentado contra Jair Bolsonaro.


“Constatou-se a existência de mais dois registros de entrada referentes à pessoa do Senhor Adélio, ambos datados do dia 6 de setembro de 2018, dia em que fora efetuada sua prisão no estado de Minas Gerais em decorrência do atentado ao deputado Bolsonaro”, escreve o diretor Paul Pierre Deeter no oficio da Polícia Legislativa. 



Visto que é impossível Adélio ter estado na Câmara, e em Juiz de Fora ao mesmo tempo, Deeter desconfia de que os registros tenham sido forjados.
Uma investigação interna foi aberta para “averiguar as circunstâncias nas quais se deram os supostos registros”. E também pediu a decretação de sigilo.



É mais um indício que tenha alguém tentando ajudar o agressor de Bolsonaro de dentro da Câmara dos Deputados. 
Adélio também visitou o local em outra ocasião. No dia 6 de agosto de 2013, quando ainda era filiado ao PSOL.




Alguém tentou se passar por Adélio na câmara dos deputados enquanto ele tentava matar Jair Bolsonaro, desta forma ele tentaria confundir ou até enganar as investigações caso o crime fosse perfeito. mas Graças a Deus, o tiro saiu pela culatta. 

Continue lendo....