Denúncia é protocolada junto ao MPF contra o Intercept, CPI deve chegar aos mandantes do crime de invasão



Denúncia é protocolada junto ao MPF contra o Intercept, CPI deve chegar aos mandantes do crime de invasão








"Na cola dos mandantes"




Um pedido de CPI para “investigar a interceptação e violação de sigilo de dispositivos celulares” de Sergio Moro e integrantes da força-tarefa da Lava Jato foi protocolado hoje (11).

O requerimento, de autoria dos deputados Filipe Barros e Carlos Jordy, ambos do PSL, defende que “cabe à Câmara dos Deputado apurar possíveis mandantes, executores e beneficiados com o crime em comento”.



“Os dados obtidos de maneira ilícita violam a privacidade dos, mas se mostram ainda mais graves por terem relação direta com pessoas responsáveis pela Operação Lava Jato – a maior operação anticorrupção da história do Brasil”, diz outro trecho do pedido.

E mais:

“Importante ressaltar que o ataque não foi um roubo simples de dados, como ocorre com pessoas comuns. O ataque foi direcionado aos principais atores que investigam e processam as mais altas autoridades na Operação Lava Jato.”



No rastro dos criminosos
Uma denúncia anônima foi cadastrada junto ao MPF contra o site Intercept, sob o número 20190043642.

Eis o que diz a denúncia:
“As quatro matérias sobre a Lava-jato publicadas pelo Intercept.com, que contêm supostas conversas obtidas por meios criminosos, são assinadas por Glenn Greenwald, Betsy Reed e Leandro Demori (Parte 1); Glenn Greenwald e Victor Pougy (Parte 2); Rafael Moro Martins, Leandro Demori e Glenn Greenwald (Parte 3); e Rafael Moro Martins, Alexandre de Santi e Glenn Greenwald (Parte 4).
Na matéria <https://theintercept.com/2019/06/09/editorial-chats-telegram-lava-jato-moro/>, os jornalistas esclarecem que as matérias foram “produzidas a partir de arquivos enormes e inéditos – incluindo mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens – enviados por uma fonte anônima” – os quais não foram divulgados.


Nas quatro matérias, são feitas transcrições parciais, desacompanhadas dos documentos mencionados, havendo indícios de omissão das conversas integrais, de modo a dificultar a clara compreensão do contexto e a causar perturbação da ordem pública (com a anulação de processos de repercussão mundial) e alarme social, colocando a credibilidade das instituições em xeque.
Exemplificativamente, na matéria < https://theintercept.com/2019/06/09/chat-moro-deltan-telegram-lava-jato/>, as transcrições estão incompletas e, não raro, seguidas de reticências. Por exemplo, ao transcrever suposta fala do Procurador da República Deltan Delagnol, o sítio divulga:
“Caro, STF soltou Alexandrino. Estamos com outra denúncia a ponto de sair, e pediremos prisão com base em fundamentos adicionais na cota. […] Seria possível apreciar hoje?”, escreveu Dallagnol.
Na sequência, publica:
“Não creio que conseguiria ver hj. Mas pensem bem se é uma boa ideia”, alertou o então juiz. Nove minutos depois, Moro deu outra dica ao procurador: “Teriam que ser fatos graves”.


Resta claro que há abuso de liberdade de imprensa e de expressão: todas as supostas transcrições divulgadas estão incompletas e descontextualizadas, tendo sido publicados somente os excertos que interessam à narrativa do Intercept Brasil. O caso agrava-se pela forte repercussão internacional, com abalo às instituições nacionais, sem a divulgação do material correspondente ou a transcrição da integralidade das conversas.
Portanto, os jornalistas aparentemente incorreram no crime previsto no art. 16, da Lei nº 5.250, de 9 de fevereiro de 1967:
Art . 16. Publicar ou divulgar notícias falsas ou fatos verdadeiros truncados ou deturpados, que provoquem:
I – perturbação da ordem pública ou alarma social.
(…)
Pena: De 1 (um) a 6 (seis) meses de detenção, quando se tratar do autor do escrito ou transmissão incriminada, e multa de 5 (cinco) a 10 (dez) salários-mínimos da região.


Segundo o dicionário Michaelis, “deturpado” significa aquilo “que teve seu aspecto exterior modificado para pior; afeado, desfigurado”, “que teve alterada sua forma original; deformado, disforme”.
O dolo de causar alarma social é manifesto, tendo os citados jornalistas exteriorizado que se tratam de matérias explosivas e que “as três reportagens revelam comportamentos antiéticos e transgressões que o Brasil e o mundo têm o direito de conhecer”.
Vale ressaltar que a divulgação da integralidade das conversas, devidamente contextualizadas, não implicaria qualquer violação ao sigilo da fonte, supostamente anônima.

Solicitação:
Apurar a possível ocorrência de crime previsto na Lei de Imprensa.”

A Lei de Imprensa foi considerada inconstitucional pelo STF. (fonte; O Antagonista)



Agora; 





Gilmar Mendes defende uso de provas ilegais contra a Lava Jato, (Lula não embolsou propina?) Ele defende as mensagens roubadas em favor de lula...


A quem interessa o vazamento das conversas entre integrantes da Lava Jato?

Veja o vídeo;




Compartilhe em "grupos" e alcance mais pessoas:

Seguir no twitter;




Entre em contato com o ministro Barroso #PEDEVISTABARROSO:

Entre em contato com o ministro Barroso #PEDEVISTABARROSO


>> CLICK AQUI E VEJA, VEM AÍ A PAUTA EXPLOSIVA DO STF..

"A CORRUPÇÃO MATA NA FILA DO HOSPITAL"




Eis o que Dias Toffoli pensava sobre prisão em segunda instância (antes de Lula ser preso)

>

A esquerda já tentou nos calar, seja nossa vós, curta nossa página e receba diáriamente notícias do governo Bolsonaro. -Somos de #DIREITA

Pátria amada Brasil até morrer!
Grupo Público · 50.197 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.

Destaque do dia..

Bolsonaro reage no silêncio; Eduardo Bolsonaro é oficializado novo líder do PSL na Câmara

Será que Bolsonaro reagiu no silêncio? Eduardo Bolsonaro acaba de ser confirmado como o novo líder do PSL na Câmara. O líder...


As mais lidas do dia..