Farsa da Globo é desmontada: "A voz da ligação não é de Bolsonaro" (assista o vídeo) - JORNAL 21 BRASIL
Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade

DESTAQUE DA SEMANA

BOLSONARO PERDE PACIENCIA E VAI COM TUDO PRA CIMA DE FACHIN "STF CRÉU" DIREITO MEU PÔ!

O presidente Jair Bolsonaro em sua live semanal perdeu a paciência com um ministro do (STF) Supremo Tribunal Federal, que de forma monocráti...

Farsa da Globo é desmontada: "A voz da ligação não é de Bolsonaro" (assista o vídeo)







Atualizado; -"Augusto Aras rejeitou investigar a suspeita de que um dos acusados de matar Marielle Franco falou no nome de Jair Bolsonaro, no dia do crime, ao entrar no condomínio onde mora o presidente no Rio, informa O Globo.

O procurador-geral entendeu que não há fundamento nas referências ao presidente. Ele pediu ao Ministério Público Federal no Rio que investigue irregularidades no depoimento do porteiro do condomínio à Polícia Civil".



O filho do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, gravou um vídeo onde mostra os registros de ligações entre a portaria e as casas do condomínio onde ele o pai vivem. Carlos teve acesso ao material por ser morador do conjunto residencial.

Ele mostra que não houve nenhuma ligação da portaria para a casa de número 58, onde mora Jair Bolsonaro no dia da morte da ex-vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco. Carlos desmonta assim a farsa noticiada pela Rede Globo, que sustentou que o porteiro teria confirmado que Bolsonaro teria permitido a entrada de Élcio Quiroz no condomínio no dia do crime.


Moro requisita instauração de inquérito ao MPF e Polícia Federal em defesa de Bolsonaro



O ministro Sergio Moro enviou, há pouco, ofício ao procurador-geral da República, Augusto Aras, pedindo instauração de inquérito para apuração pelo Ministério Público Federal, em conjunto com a Polícia Federal, dos fatos revelados ontem em reportagem do Jornal Nacional sobre o caso Marielle Franco.

Moro diz que os fatos sugerem “possível equívoco na investigação conduzida no Rio de Janeiro ou eventual tentativa de envolvimento indevido do nome do presidente da República no crime em questão”.


No entender do ministro, as revelações veiculadas no Jornal Nacional podem “configurar crimes de obstrução à Justiça, falso testemunho ou denunciação caluniosa, neste último caso tendo por vítima o presidente da República, o que determina a competência da Justiça Federal e, por conseguinte, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal”.


-Quando toca em Bolsonaro A verdade é exposta. João 8; 32

Veja agora; 
 


-Certíssimo o Moro. Este "depoimento" tá com cara de coisa encomendada. Vai sobrar para o porteiro, que foi usado.