Anúncio
100% digtal
Publicidade

Anúncio

DESTAQUE DA SEMANA

DORIA NÃO FALOU PARA O POVO QUE FALTA INSUMOS NA CHINA; COMEÇOU O ALVOROÇO, PALANQUE ELEITORAL

  Está faltando a verdade...  A Covishield, versão indiana do imunizante da AstraZeneca, não chegou e o lote do Butantan é limitado. Faltam ...

Talvez você tenha perdido

Continuar depois da publicidade

Golpe em andamento: Se o Congresso não aprovar a PEC emergencial, Jair Bolsonaro será prejudicado diretamente



O Estadão, em editorial, diz que o estouro do teto do gasto pode paralisar o Brasil.



"Um governo consciente de sua responsabilidade diante do iminente colapso da máquina pública teria colocado a PEC Emergencial em primeiro lugar na sua lista de prioridades. Sem ela, não será possível discutir nenhuma outra reforma no curto prazo" A PEC estabelece uma série de limites ao funcionalismo público para permitir o corte de gastos obrigatórios, interrompendo a escalada dessas despesas, hoje a principal ameaça ao cumprimento do teto determinado pela Emenda Constitucional 95. O texto autoriza o acionamento do ‘gatilho’ do corte de despesas obrigatórias sempre que a despesa corrente superar 95% da receita corrente."


Ontem, (27) publicamos uma denúncia que: Parlamentares planejam prejudicar o governo Bolsonaro  (leia aqui), mas, ninguém nos deu a devida atenção.

Alguns parlamentares planejam desequilibrar o governo Bolsonaro, que aliás, vai muito bem, obrigado!.


Existe data marcada e limite de tempo para que o Congresso aprove a PEC Emergencial do governo. O governo de Jair Bolsonaro não pode iniciar o ano de 2021 sem a aprovação da PEC. -O teto não pode estourar. 

Segundo a Folha de S. Paulo, já há parlamentares fazendo o cálculo de que a trajetória negativa poderia abalar a reta final do mandato de Jair Bolsonaro.

A sociedade que tem apoiado o governo Federal, precisa reagir e pedir ao Congresso que aprove o mais rápido possível a "PEC, Emergencial do governo", se isso não acontecer a tempo, o governo será obrigado estourar o teto, prejudicando diretamente o presidente Jair Bolsonaro.