Anúncio
100% digtal
Publicidade

Anúncio

DESTAQUE DA SEMANA

DORIA NÃO FALOU PARA O POVO QUE FALTA INSUMOS NA CHINA; COMEÇOU O ALVOROÇO, PALANQUE ELEITORAL

  Está faltando a verdade...  A Covishield, versão indiana do imunizante da AstraZeneca, não chegou e o lote do Butantan é limitado. Faltam ...

Talvez você tenha perdido

Continuar depois da publicidade

Investimento estrangeiro no Brasil cresceu 26% em 2019 - Maior responsável Paulo Guedes




Investimento estrangeiro no Brasil cresceu 26% em 2019, país passou da 9ª para a 4ª colocação entre os maiores destinos de recursos produtivos; fluxo global caiu 1%, segundo levantamento da Unctad, e o grande responsável por tudo isso? Paulo Guedes e principalmente, as privatizações.

Os dados são do Monitor de Tendências de Investimentos Globais, divulgados nesta segunda-feira (20) pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

O IED mede o capital investido por estrangeiros em um país. Ele é considerado por economistas como o "bom investimento", já que os recursos vão para o capital produtivo (construção de fábricas, infraestrutura, empréstimos e fusões e aquisições).

O fluxo de recursos no Brasil passou de US$ 60 bilhões, em 2018, para US$ 75 bilhões no ano passado. O valor ficou em linha com o esperado pelos analistas dos bancos, segundo dados colhidos pelo Banco Central no final de 2018, por meio do Boletim Focus.

Segundo a Unctad, a expansão dos investimentos externos, veio na esteira das privatizações ocorridas a partir do meio do ano, e o grande responsável por isso é o super ministro da economia, Paulo Guedes, um dos três melhores ministros no Governo Bolsonaro. A venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) pela Petrobras é grande responsável pelas melhorias dos números, a empresa foi vendida ao grupo formado pela francesa Engie e pelo fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ) por R$ 33,5 bilhões, ou cerca de US$ 8,7 bilhões.

Com a alta, o Brasil passou da nona para a quarta colocação entre os principais destinos de IED no mundo – atrás apenas de Estados Unidos, China e Cingapura, segundo o ranking da Unctad.

Enquanto isso, o fluxo global fica quase estável, em relação aos dados revisados de 2018. O IED global sofreu uma contração de 1%, passando de US$ 1,41 trilhão em 2018 para US$ 1,39 trilhão no ano passado.



Trata-se de sinais claros de que o governo Bolsonaro está no rumo certo, e isso incomoda demais a turma do "quanto pior melhor", pois, mesmo com a extrema mídia torcendo contra, inclusive, tentando ocultar tais dados ou quando divulgam, não associam ao governo Bolsonaro e seus ministros, o Brasil tem alavancado, e tudo isso sem se deixar corromper.