Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade


Toffoli libera a safadeza do Porta dos Fundos, mas censurou "o amigo do amigo do meu pai"



Toffoli libera a safadeza Porta dos Fundos, mas censurou "o amigo do amigo do meu pai"



Dias Toffoli conseguiu, novamente, ir contra todo o povo brasileiro.

Não que isso seja novidade, o ministro, atualmente guindado ao cargo de todo poderoso Presidente da entidade mega suprema que faz da lei o que quer, parece ter se especializado em encher o saco da nação com suas decisões duvidosas.

Dessa vez, derrubou a decisão do juiz carioca que suspendeu o ‘especial’ de Natal dos comédias do porta dos fundos (deles).


Toffoli foi fundo em sua ‘argumentação’ a favor do ‘especial’, chegou a citar a fé cristã e dois mil anos de civilização.
Conta ao menos ele sabe fazer.

Só faltou citar a Bíblia, mas isso ele não poderia.

Dias Toffoli só esqueceu que ele junto com Alexandre de Morais, censurou a Revista Crusoé com uma matéria de punho investigativa em que ele foi citado com o codinome "O amigo do amigo do meu pai". 

Como explicar isso Toffoli ?


O QUE HÁ DE NOVO