Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade


Por que os casos que envolvem Rodrigo Maia não andam?

Resultado de imagem para rodrigo maia botafogo"
Vivemos em um país onde maus políticos tem proteção de todo o establishment, porem, é inacreditável o que vemos acontecer no caso de pessoas como Renan Calheiros, Fernando Collor, José Serra, Aécio Neves e em especial, o presidente da Câmara dos deputados federais, Rodrigo Maia.

Resultado de imagem para rodrigo maia, aécio e renan"
Perguntas que são sempre feitas, por que o caso de Rodrigo Maia não anda? As acusações são graves: corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Ele tem até mesmo codinome na lista de propinas da Odebrecht. Por que o MPF não faz a denúncia?

A Polícia Federal concluiu uma das investigações envolvendo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e atribuiu a ele os crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro por supostamente ter solicitado e recebido repasses da Odebrecht. Seu pai, o vereador Cesar Maia (DEM-RJ), também é acusado dos mesmos crimes.

O relatório da PF foi finalizado em Agosto de 2019 e enviado ao relator do caso, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. Em nota, Maia negou as acusações e disse ter recebido apenas doações legais.

Fachin enviou os autos para a Procuradoria-Geral da República (PGR), a quem cabe decidir se apresentará denúncia contra Maia com base nesses fatos. Os repasses da Odebrecht teriam ocorrido via caixa dois, em dinheiro vivo, e também por meio de doações oficiais de empresas do grupo Petrópolis usadas pela empreiteira para terceirizar suas doações, prática que é chamada pela PF de "caixa três" e foi classificada criminalmente como falsidade ideológica eleitoral.

A investigação se baseou em provas indiciárias e não houve uma comprovação cabal das entregas dos recursos em dinheiro vivo. Dentre as provas usadas estão dados do sistema interno de pagamentos de propina da Odebrecht — o Drousys —, nos depoimentos dos delatores da empreiteira, em registros de entrada na sede da Odebrecht e em registros telefônicos.

"Os elementos probatórios colhidos nos permitem afirmar com segurança sobre a realização de solicitações indevidas entre os anos de 2008 e 2010 por parte do deputado federal Rodrigo Maia e o atual vereador da cidade do Rio de Janeiro Cesar Maia no valor total de R$ 1.800.000,00, bem como acerca do recebimento de pagamentos indevidos pela Odebrecht, nos anos de 2008, 2010, 2011 e 2014, no valor R$ 1.600.000,00, em espécie, sendo que parte relevante, cerca de R$ 750.000,00 foi paga quando Rodrigo Maia e César Maia não eram candidatos (R$ 300.000,00 em 2008) ou fora do período eleitoral (R$ 450.000,00 em dezembro de 2010 e janeiro de 2011)", escreveram os delegados Bernardo Guidali Amaral e Orlando Cavalcanti Neves Neto.

Na conclusão, a PF afirma que há "elementos concretos de autoria e materialidade". Segundo os investigadores, "estão presentes indícios suficientes" de que o deputado federal e e o vereador cometeram "delito de corrupção passiva ao solicitarem e receberem contribuições indevidas nos anos de 2008, 2010, 2011 e 2014".

Sobre o crime eleitoral cometido por receber recursos do Grupo Petrópolis quando a verdadeira doadora era a Odebrecht, a PF escreveu que os dois acusados praticaram a "modalidade Caixa 3, ao apresentar apenas as informações de cunho estritamente formal das doações repassadas por empresas interpostas quando o verdadeiro doador era o Grupo Odebrecht".

Eles também teriam cometido o delito de lavagem de dinheiro quando, em 2010 e 2014, "ocultaram e dissimularam a origem, com o objetivo de dar lastro e legitimar o recebimento valores indevidos com as doações eleitorais feitas pelo Grupo Petrópolis e as distribuidoras de bebidas Praiamar e Leyroz, a pedido do Grupo Odebrecht", disse a PF.

O inquérito precisou ser finalizado após uma ordem de Fachin no dia 2 de agosto. O magistrado determinou a intimação dos delegados para que entregassem o relatório final da investigação. Em abril, ele havia autorizado a última prorrogação de prazo das investigações, que já estavam na fase final. O inquérito foi aberto em março de 2017, com base nas delações premiadas da Odebrecht.

Pelo envolvimento no caixa três, o empresário Walter Faria, dono do grupo Petrópolis e alvo da 62ª fase da Lava-Jato, foi acusado do crime de lavagem de dinheiro no caso. O ex-assessor de Cesar Maia, João Marcos, também é acusado de corrupção passiva.

Outro lado
Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Rodrigo Maia negou as acusações e disse que sempre recebeu apenas doações legais.

“Sobre o relatório apresentado pela Polícia Federal, volto a afirmar que todas as doações que recebi em minhas campanhas eleitorais foram solicitadas dentro da legislação, contabilizadas e declaradas à Justiça. Nunca houve pagamentos não autorizados por parte da Odebrecht ou de qualquer outra empresa. A conclusão do relatório da Polícia Federal, portanto, não tem embasamento fático, comprobatório ou legal, já que foi baseado exclusivamente em palavras e planilhas produzidas pelos próprios delatores. Eu confio na Justiça e estou seguro que os fatos serão esclarecidos, e este inquérito, arquivado”, diz a nota, assinada pelo presidente da Câmara.

A defesa de Cesar Maia não respondeu aos contatos da reportagem. A assessoria de Walter Faria disse que não iria comentar.

Outras acusações
Esta é a segunda vez que a PF imputa corrupção passiva a Rodrigo Maia em uma investigação da Lava-Jato. Em fevereiro de 2017, a PF concluiu um outro inquérito e apontou que Maia recebeu pagamentos da empreiteira OAS em troca de atuar em favor da empresa na Câmara dos Deputados.

O material foi enviado para a PGR na ocasião, ainda sob o comando de Rodrigo Janot. Até hoje, a atual procuradora-geral Raquel Dodge não decidiu se apresenta denúncia contra Maia com base nesses fatos ou se arquiva a investigação. O caso está parado em seu gabinete desde então.

Maia também foi delatado por ex-funcionários do setor de propinas da OAS sob acusação de caixa dois na sua campanha de 2012 à Prefeitura do Rio, como revelou O GLOBO em fevereiro. O caso ainda está em fase inicial de investigação.

Mas com tudo isso, a pergunta que todos fazem, por que os casos que envolvem Rodrigo Maia não andam?

O QUE HÁ DE NOVO