Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade


Se a disputa presidencial fosse hoje, Bolsonaro seria reeleito "segue firme, forte e inabalável"



Diante de grandes tsunamis contra o Governo Bolsonaro, a revista Veja esperneio, mas publicou nesta sexta feira (24), uma pesquisa afirmando que o presidente Jair Bolsonaro seria reeleito.

Não tem jeito!
"petróleo nas praias do Brasil, queimadas na Amazônia, traições, investigação no Supremo, coronavírus, e entre outras tramoias [....], Jair Bolsonaro continua sendo o favorito para 2022".
Leia o que diz a Veja;
"O governo Jair Bolsonaro passou nos últimos três meses por uma tempestade política perfeita. À crise inaugurada pela pandemia do novo coronavírus, menosprezada pelo presidente desde o início, somaram-se a conturbada demissão de seu ministro mais popular, Sergio Moro, duas trocas no Ministério da Saúde, a abertura de um inquérito para apurar interferência política na Polícia Federal, a divulgação em vídeo de uma escabrosa reunião de seu gabinete, o cerco a bolsonaristas radicais em duas investigações do Supremo, a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), em uma casa do advogado de Bolsonaro, o diagnóstico de Covid-19 do chefe do Executivo e o saldo nefasto de mais de 80 000 mortos pela doença. Mesmo em meio a dificuldades sérias, que poderiam estraçalhar a popularidade de inúmeros políticos, Bolsonaro segue firme, mostrando mais uma vez que é um fenômeno político. Se a disputa presidencial fosse hoje, ele seria reeleito".
O levantamento foi feito pelo instituto Paraná Pesquisas entre os dias 18 e 21 de julho. Diante de tantas investidas vinda dos seus algoses, Bolsonaro lidera todos os cenários de primeiro turno — com porcentuais que vão de 27,5% a 30,7% — e derrotaria os seis potenciais adversários em um segundo round da corrida ao Planalto em 2022, inclusive o ex-juiz Sergio Moro.


Mesmo em meio a uma tempestade política e à frente de um país dividido, o candidato à reeleição segue firme, forte e inabalável.

O QUE HÁ DE NOVO