Infectologista "David Uip" que já cuidou de Doria é contra contra vacinação obrigatória


Publicidade




 Membro do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, o infectologista David Uip defendeu nesta sexta-feira, 27, a não compulsoriedade da vacina contra a covid-19. “Você não precisa obrigar. É um direito nosso e um dever do Estado oferecer”, declarou, em entrevista à rádio Jovem Pan. Para ele, não há o que temer com a “pressa” para aprovação de um imunizante capaz de vencer o vírus chinês porque os institutos estão obedecendo ao que foi planejado.

 “Durante os processos de pesquisa, existem contratempos. Por isso existem auditorias internacionais independentes”, acrescentou.


Além disso, Uip afirmou respeitar o pacto federativo e que, para ele, não adianta iniciar um processo de vacinação sem o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. “O governo federal compra, distribui para os Estados e eles repassam aos municípios. 


O governo federal tem uma política de vacinação e financiamento, um Plano Nacional de Imunização aplaudido no mundo todo. Cabe aos governos a governança. O mundo aguarda essas vacinas, nós todos estamos muito ansiosos. Mas a ciência não responde à nossa ansiedade”, concluiu o médico.


Relembrando; "O ex-coordenador do Centro de Contingência ao Coronavírus em SP cuidou do tratamento de Doria".

 

David Uip não revelou o protocolo de tratamento que foi utilizado pelo governador tucano de São Paulo, João Doria.

- Em entrevista à "CNN Brasil", Uip se irritou ao ser perguntado sobre o assunto e afirmou: “Não comento o protocolo que utilizo com meus pacientes”. Com a insistência dos jornalistas sobre o tratamento a pacientes com mais de 60 anos — caso de Doria — o médico se limitou a dizer que já existem tratamentos bastante seguros tanto para quem tem sintomas leves, quanto para os pacientes mais graves.


Publicidade

Anúncio