Jesus




STF rejeita denúncias da Lava Jato contra senador e três deputados federais


Por; Rosinaldo Pereira /colunista

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

STF rejeita denúncias da Lava Jato contra senador e três deputados federais




A 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) barrou nesta segunda-feira (18) três denúncias apresentadas pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra um senador (Benedito de Lira, do PP de Alagoas) e três deputados federais: Arthur de Lira (PP-AL), Eduardo da Fonte (PP-PE) e José Guimarães (PT-CE).

De acordo com o portal de noticias UOL os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes formaram maioria nos três casos contra o voto do ministro Edson Fachin. Nesta segunda-feira, a 2ª Turma estava com sua composição desfalcada pelos ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello, que não participaram da sessão.
O recebimento da denúncia é a etapa do processo na qual os ministros decidem se é aberto um processo penal, o que tornaria os acusados réus.




Entenda a denúncia contra os Lira

A denúncia da Procuradoria acusou Benedito de Lira de ter recebido R$ 400 mil em doações eleitorais de uma empresa ligada à UTC para sua campanha ao senado em 2010. O valor, que foi repassado para a campanha à Câmara de Arthur Lira, seria proveniente do esquema de propina na Petrobras.

O ministro Dias Toffoli afirmou em seu voto que a denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República) não apresentou provas contra os investigados além do depoimento de delatores.
Segundo o ministro, assim como o STF entende que apenas o depoimento de delatores não é suficiente para condenar um investigado, também não poderia sustentar, sem outras provas, o recebimento da denúncia.
"Encontra-se ausente substrato probatório mínimo que autoriza a deflagração da ação penal", disse Toffoli.
"Depoimento de colaborador precisa ser corroborado por fontes diversas de prova", afirmou o ministro.
Segundo afirmou em delação premiada o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, 1% do valor dos contratos da diretoria com empresas do esquema eram desviados para pagamento de propina. Desse montante, 60% ficava com o PP.
A denúncia também aponta que a UTC repassou R$ 1 milhão em dinheiro para Benedito Lira. O valor, segundo a Procuradoria, foi retirado em espécie na sede da empresa em São Paulo.
Uma terceira frente da acusação diz respeito ao suposto pagamento de R$ 200 mil em dívidas da campanha ao senado por empresas ligadas a Youssef.
Para o advogado de Arthur de Lira, Pierpaolo Bottini, "a Turma reconheceu que a palavra do colaborador não tem efeitos jurídicos se vier desacompanhada de elementos de prova. Essa posição coloca a narrativa do colaborador no devido lugar, como meio de obtenção de prova e não como prova em si. Um importante passo para a segurança jurídica", disse o defensor.




Caso Eduardo da Fonte

Votaram contra o recebimento da denúncia de Eduardo da Fonte os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes. O voto pelo recebimento da denúncia foi do ministro Teori Zavascki, morto em janeiro. O voto de Teori foi proferido em novembro de 2016.
O deputado foi denunciado pela Procuradoria por suspeita da prática dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
Segundo a denúncia, o então presidente da UTC Ricardo Pessoa teria pago R$ 300 mil em propina por meio de doações oficiais ao diretório do PP de Pernambuco, valor que foi repassado à campanha de Eduardo da Fonte em 2010.
A Procuradoria afirma que, como retorno pelas doações, a empresa recebeu a promessa de ser beneficiada em contratos das obras para uma fábrica de processamento de coque, um subproduto do refino do petróleo, que seria construída por uma subsidiária da Petrobras. A obra não chegou a ser realizada.
A defesa do deputado afirma que não houve crime, que há contradições na denúncia e que ele solicitou doações de forma legal para sua campanha.

Caso Guimarães

A 2ª Turma também rejeitou nesta segunda-feira a denúncia contra o deputado federal José Guimarães (PT-CE).


Em seu voto, Toffoli afirmou que a denúncia da Procuradoria não aponta nenhum ato do deputado que pudesse ser caracterizado como contrapartida ao suposto recebimento de propina.
O deputado do PT foi acusado de ter recebido R$ 97,7 mil em propina ligado à liberação de um empréstimo pelo Banco do Nordeste para a construção de três usinas eólicas na Bahia pela Engevix.
O valor foi pago a Guimarães, segundo a denúncia, pelo advogado ligado ao PT Alexandre Romano, que foi vereador pelo partido em Americana (SP).
Romano, que fechou acordo de delação premiada, disse ter recebido R$ 1 milhão da Engevix como comissão pelo empréstimo. O delator diz que a empresa o contratou por causa de suas conexões políticas.

O delator afirmou que Guimarães conseguiu intermediar o agendamento de uma reunião entre a Engevix e a cúpula do banco.
Segundo Romano, o valor foi repassado para o deputado federal por meio de dois cheques, que foram entregues em reunião no gabinete de Guimarães em agosto de 2011.
A investigação da Procuradoria apontou que os cheques emitidos por Romano foram compensados em favor de um escritório de advocacia e de uma gráfica contratados por Guimarães.





Black Friday vem aí... Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

As mais lidas da semana

VOCÊ VIU?

 
JORNAL 21 BRASIL.
jornal do brasil, jornal 21, notícias de Bolsonaro, política do brasil, Jornalismo livre, a tragetoria de Sergio Moro, notícias do brasil, notícias de Sergio Moro, notícias de lula, lula preso, lula na cadeia, operação lava-jato
  • ""JORNALISMO LIVRE""



  • ""O SEU JORNAL DIGITAL 24 HORAS POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA. ""