Jesus








Antes leia, o destaque!

Para manter os privilégios e detonar a lava-jato, PSDB, pode unir-se ao PT contra Bolsonaro

Para manter os privilégios e detonar a lava-jato, PSDB pode unir-se ao PT contra Bolsonaro PT e PSDB é pó do mesmo giz Para ma...

Moro em condenação de lula; "sempre agiu com transparência"


Por; Rosinaldo Pereira /colunista

quarta-feira, 25 de julho de 2018



Moro em condenação de lula; "sempre agiu com transparência"





O juiz federal Sergio Moro afirmou nesta quarta-feira (25) que sempre foi transparente. "Podem me acusar de muita coisa, mas sempre agi com transparência", disse ele em sua primeira palestra desde o embate no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) sobre o pedido de deputados petistas para libertar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).


Sobre as críticas que recebeu por ter tomado a decisão sobre a manutenção da prisão de Lula nas férias, Moro disse que a imprensa vive criticando que o período de descanso é longo. "Aí, quando o juiz trabalha nas férias, também critica." A frase gerou aplausos e risos da plateia.

O juiz participou nesta quarta de um debate promovido pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e pela Unibes Cultural sobre corrupção. O advogado Antonio Mariz de Oliveira, que já defendeu o presidente Michel Temer (MDB), também participou do painel, assim como o promotor do Ministério Público de São Paulo Marcelo Mendroni. 

Ao ser anunciado, o juiz foi recebido com aplausos e gritos da plateia de cerca de 150 pessoas.

Durante o debate, Moro afirmou também que a prisão após julgamento em segunda instância foi "um passo fundamental" para o país. Moro defendeu ainda a prisão preventiva, mas afirmou que ela tem que ser excepcional. "Se houver situação de risco de reiteração, e desde que a prova seja muito robusta, se pode antecipar a punição para proteger a sociedade".

O juiz federal indicou que, depois da condenação em segunda instância, é possível conseguir liminares nas instâncias superiores "se for apresentado o recurso plausível". Questionado sobre candidatura de condenados após segunda instância, caso de Lula, Moro disse que não poderia comentar em função da condição dele como juiz. 


Primeiro a falar, o advogado Antonio Mariz de Oliveira, que já defendeu o presidente Michel Temer (MDB), afirmou que são necessários mecanismos que antecedem o crime, para evitá-lo e foi taxativo ao refutar a ideia de prisão como instrumento para o combate á criminalidade. "Prisão, punição não combatem a corrupção", disse o advogado. "Dizer que a prisão está evitando o crime é uma falácia."
Terceiro participante do debate, o promotor Marcelo Mendroni empolgou a plateia ao afirmar que prisão após segunda instância, às vezes, "pode ser tardia demais". "Deveria ser prisão preventiva desde logo", afirmou.






Em função da posição de Moro de dizer que o desembargador Rogério Favreto, responsável pelo plantão em que foi tomada a decisão de libertar Lula, era incompetente para conceder o habeas corpus ao ex-presidente, os dois magistrados deverão apresentar explicações sobre o ocorrido ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça).
Moro disse que já apresentou sua resposta e que, como juiz, não pode se manifestar.
(UOL conteúdo)



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Últimas atualizações

VOCÊ VIU?

As mais lidas da semana

Bombando no Google



 
JORNAL 21 BRASIL.
jornal do brasil, jornal 21, notícias de Bolsonaro, política do brasil, Jornalismo livre, a tragetoria de Sergio Moro, notícias do brasil, notícias de Sergio Moro, notícias de lula, lula preso, lula na cadeia, operação lava-jato




  • ""CONHEÇA ""SOCIAL VIVA VIDA"" a mais nova Rede social da família""

  • ""JORNALISMO LIVRE""



  • ""O SEU JORNAL DIGITAL 24 HORAS POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA. ""