"Destaque do dia"


O recado de Fux para deputados: "Aprove prisão em 2ª instância" Juízes têm liberado réus aos borbotões

Em evento sobre o Dia Internacional contra a Corrupção, Luiz Fux defendeu que o Congresso aprove uma lei determinando a prisão em segun...




Colômbia pede que países não reconheçam governo da Venezuela

Em:
__ Dia e mês: 24.12.18




Colômbia pede que países não reconheçam governo da Venezuela






A Colômbia espera que os países que são defensores da democracia retirem seus embaixadores e desconheçam a ditadura de Nicolás Maduro a partir de 10 de janeiro, registra a Folha.

O pedido foi feito pelo mandatário colombiano, Iván Duque. 10 de janeiro é o dia em que Maduro assumirá “novo mandato” –obtido em eleições sem oposição e classificadas como fraudulentas por vários países.


Duque defendeu ainda uma maior pressão sobre a “ditadura esmagadora” de Maduro, para que o país recupere a liberdade e a democracia.









Jornalista, articulista político. O que me interessa é a verdade. Sou de "Direita" conservador, amo o meu país.

Se você não divulgar, a Globo não divulga: Compartilhe em "grupos" e alcance mais pessoas:






Inscreva-se no canal "PÁTRIA AMADA BRASIL"

Seguir; Aliança pelo Brasil



"NÃO DEIXE A VOZ DA DIREITA SILENCIAR" O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com o JORNAL 21 BRASIL, uma Imprensa livre e sem dinheiro público, doando qualquer valor. Obrigado de coração a todos vocês, Acesse:





Uma página 100% de DIREITA. Você pode e tem voz.



"Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem"






ALIANÇA PELO BRASIL: "Este é um momento histórico, onde a maioria silenciosa finalmente terá voz". Ajude o presidente, curta a Página


Canal, Pátria amada Brasil

Inscreva-se:

Gilmar assustado com delação de hacker, "mensagens que Mendes defendem são falsas"

Pátria amada Brasil até morrer!
Grupo Público · 50.197 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.




As mais lidas do dia