Uma página a serviço do Brasil:

A casa caiu! Glenn Greenwald do Intercept, comenta os próprios erros em suas divulgações contra Moro



O novo furúnculo vazado pelo jornalista cúmplice de crackers é uma armadilha para os apressadinhos que não se preocupam com detalhes, por mais que eles sejam fundamentais.

Tomemos como verídicas as conversas roubadas e vazadas na última terça-feira (18), propositalmente fora da ordem temporal para enganar, para ludibriar os leitores com a narrativa fake de que Sérgio Moro e a força-tarefa da Operação Lava Jato estavam protegendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.


Vamos fazer o correto e colocar as conversas em ordem? Reitero: supondo que sejam verídicas. Ei-las: Foi exatamente o uso político da Lava-Jato por Rodrigo Janot que Sérgio Moro criticou em sua última mensagem.




"Moro – 09:07:39 – Tem alguma coisa mesmo séria do FHC? O que vi na TV pareceu muito fraco?


Moro – 09:08:18 – Caixa 2 de 96?

Dallagnol – 10:50:42 – Em pp sim, o que tem é mto fraco

Moro – 11:35:19 – Não estaria mais do que prescrito?"

(Deltan M. Dallagnol, então, faz contato com o grupo da Procuradoria-Geral da República, em Brasília, sendo respondido por Sérgio Bruno Fernandes, da equipe do então procurador-geral Rodrigo Janot)

"Dallagnol – 11:42:54 – Caros o fato do FHC é só caixa 2 de 96? Não tá prescrito? Teve inquérito?

Sergio Bruno Mpdft – 11:51:25 – Mandado pra SP
Sergio Bruno Mpdft – 11:51:44 – Não analisamos prescrição

Dallagnol – 13:26:11 – OK


(Janot apoiava a Lava-Jato de forma geral, mas fustigava, sempre que podia, a equipe da força-tarefa em Curitiba. Basta procurar as matérias da época para constatar isso. Daí, Dallagnol ironiza a decisão de Brasília)

"Dallagnol – 13:26:42 – Foi enviado pra SP sem se analisar prescrição
Dallagnol – 13:27:27 – Suponho que de propósito. Talvez para passar recado de imparcialidade

Moro – 13:52:51 – Ah, não sei. Acho questionável pois melindra alguém cujo apoio é importante."

Ao colocar os diálogos em ordem, contextualizando-os, fica claro que, ao falar em "passar recado de imparcialidade", Dallagnol não se refere a Sérgio Moro, mas a Rodrigo Janot.


Naquele momento, em abril de 2017, Janot estava em guerra declarada contra o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, que, por sua vez, sempre foi muito próximo ao PSDB de Minas Gerais e de São Paulo. Não por acaso, 25 dias depois Janot apresentou ao STF uma Arguição de Suspeição contra Gilmar.

Melindrar FHC significava dar mais uma estocada em Gilmar, além, é claro, do prejuízo político para o partido do então governador Geraldo Alckmin e do pré-candidato João Doria enviando para São Paulo uma denúncia de crime obviamente prescrito desde 2008. 
 
Glenn e sua equipe cortaram uma nota de R$ 2 e uma de R$ 5 para tentar fazer uma nota de R$ 25.
Ficou claro? Espero que sim...
Segue o baile! (jornal da cidade online) 


Compartilhe e alcance mais pessoas:

Seguir no twitter;



Deixe sua opinião, é muito importante:

Uma página de Direita, tudo sobre Moro e Bolsonaro:











Notícias Relacionadas

  • Volte para capa e leia mais >>>>> Leia mais...

  • .Direto da Fonte, com Rosinaldo Pereira

    .O lado oculto da política