Anúncio
100% digtal
Publicidade

Anúncio

DESTAQUE DA SEMANA

DORIA NÃO FALOU PARA O POVO QUE FALTA INSUMOS NA CHINA; COMEÇOU O ALVOROÇO, PALANQUE ELEITORAL

  Está faltando a verdade...  A Covishield, versão indiana do imunizante da AstraZeneca, não chegou e o lote do Butantan é limitado. Faltam ...

Talvez você tenha perdido

Continuar depois da publicidade

Sob ameaças de emboscadas, Bolsonaro deve aumentar o nível de blindagem de carros oficiais




Já que a esquerda está reclamando da troca da frota presidencial, também vou reclamar.
Na MINHA opinião, o edital é falho. 

Primeiro: Não acho que o presidente deveria continuar se locomovendo em veículos "sedan", como os atuais Ford Fusion. Dadas as condições das vias brasileiras e a possível necessidade de uma evasão, eu escolheria um utilitário esportivo




Segundo: A blindagem de nível III-A é o máximo permitido para uso civil. A mesma blindagem que podemos ter em nossos carros. Suporta até calibres .44 Magnum e .9mm Parabellum. Ótima para o dia a dia das grandes cidades, mas ineficiente para a proteção de um chefe de Estado.
A frota presidencial, no mínimo, deveria ter blindagem nível III (restrita), que suporta até tiros de fuzil 7.62. A título de comparação, a limusine presidencial americana (que parece um sedan mas é baseada em um SUV), tem blindagem nivel IV, capaz de suportar granadas de mão e disparos de .50 BMG.




"Ah, mas todos os presidentes, até então, usavam essa configuração de veículos". Sim. Usavam.
Todos os presidentes, até então, não combatiam uma ideologia genocida, com membros fanáticos. Todos os presidentes, até então, não foram esfaqueados durante a campanha, nem tiveram a maior revista do país estampando a capa com um grupo terrorista que planejava matá-los.

Bolsonaro NÃO É "todos os presidentes" e sua oposição NÃO É a mesma oposição dos outros.


Quando lidamos com CRIMINOSOS (o próprio Palocci, em delação, já revelou as ligações entre o PT e o PCC) e vivemos em um país onde armas de guerra são de livre acesso para os fora-da-lei, não podemos pensar como "todos os outros".


É caro? É!
Mas é o preço da democracia.
(jornal da cidade online)