VERGONHA NO JUDICIÁRIO - De 70 casos da Lava-Jato transferidos para a Justiça Eleitoral, apenas um resultou em condenação - JORNAL 21 BRASIL
Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade

DESTAQUE DA SEMANA

BOLSONARO PERDE PACIENCIA E VAI COM TUDO PRA CIMA DE FACHIN "STF CRÉU" DIREITO MEU PÔ!

O presidente Jair Bolsonaro em sua live semanal perdeu a paciência com um ministro do (STF) Supremo Tribunal Federal, que de forma monocráti...

VERGONHA NO JUDICIÁRIO - De 70 casos da Lava-Jato transferidos para a Justiça Eleitoral, apenas um resultou em condenação



Desde que o STF determinou em março/2019 que a Justiça Eleitoral deve julgar crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, quando investigados junto com caixa dois, apenas um dos cerca de 70 inquéritos da Operação Lava-Jato que envolvem políticos e foram enviados à Justiça Eleitoral resultou em condenação pela primeira instância. Pelo menos 37 políticos são investigados em nove estados e no Distrito Federal fora da esfera da Justiça comum. Entre os que respondem a acusações no âmbito eleitoral estão nomes como o do ex-presidente Michel Temer (MDB-SP), do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) e dos ex-prefeitos Eduardo Paes (DEM), do Rio, e Fernando Haddad (PT), de São Paulo.



Esse conjunto de investigações da Lava-Jato foi afetado por uma mudança de entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), em março do ano passado. Na ocasião, a Corte decidiu mudar o foro de casos que envolvem caixa dois. Desde então, trechos de delações premiadas e investigações iniciadas na Lava-Jato no âmbito da Justiça Federal têm sido remetidos ao Ministério Público Eleitoral.

Procuradores e juristas em geral, apontam que a Justiça Eleitoral é considerada menos preparada para atuar em casos de corrupção e lavagem de dinheiro. Eles afirmam, por exemplo, que os magistrados têm mandato temporário de dois anos, pelo qual são gratificados, e não costumam ter dedicação exclusiva aos casos que migraram da Lava-Jato.



A maioria dos inquéritos que foram parar na Justiça Eleitoral correm sob sigilo. Por isso, não é possível saber em que fase está a apuração. Em alguns casos, até o nome do investigado está protegido por sigilo. O teor de parte desses processos, no entanto, é conhecido porque eles são frutos de delações premiadas de empreiteiras como Odebrecht e UTC, que foram tornados públicos.

O maior número de inquéritos relacionados à Lava-Jato no âmbito eleitoral está em São Paulo. São 29, dos quais 25 estão em segredo de justiça, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP). De acordo com o tribunal, três procedimentos já foram arquivados ainda na fase de inquérito.



Os ministros que votaram a favor dessa insanidade são sempre os mesmos, Marco Aurélio, Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli. Ou seja, estes ministros foram escolhidos a dedo para formar o pior STF de todos os tempos, incompetentes, dissimulados, políticos e nenhum pouco técnicos, enfim, a esquerda não quis apenas saquear os cofres públicos, mas destruir as instituições brasileiras, através de um STF fraco e presunçoso.

O QUE HÁ DE NOVO