Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade


WhasApp faz alerta sobre Projeto das fake news "colocar pessoas inocentes em risco não é a solução"


“tudo o que você disser ou encaminhar”, o que “poderia ser usado contra você”


O WhatsApp reclama de trecho do projeto que obriga os aplicativos a guardar por três meses dados de quem fizer disparo em massa de mensagens.

No entendimento do aplicativo, isso vai obrigar as empresas a rastrear “tudo o que você disser ou encaminhar”, o que “poderia ser usado contra você”.

Pelo que diz o projeto, para ser considerado um disparo em massa, basta que cinco pessoas enviem a mesma mensagem para mais de mil pessoas em menos de 15 dias.

“Notícias falsas são um grande problema social que existe há séculos em toda forma de comunicação”, disse o WhatsApp, na nota divulgada hoje.

O aplicativo informou que, desde as eleições de 2018, quando foi acusado de facilitar o compartilhamento de fake news, adotou medidas para atenuar o problema. Desde então, disse, conseguiu reduzir o disparo de mensagens em massa em 70%.

“Esperamos que a Câmara dos Deputados defenda o direito de longa data à privacidade para os brasileiros e reconheça que enfraquecer a privacidade de todos e colocar pessoas inocentes em risco não é a solução”, concluiu a nota.

Leia a nota do WhasApp:
"Estamos decepcionados com a decisão do Senado. As notícias falsas são um grande problema social que existe há séculos em toda forma de comunicação. Estamos combatendo a desinformação por meio de mudanças significativas para reduzir mensagens em massa e virais, que geraram uma redução de 70% nas mensagens altamente encaminhadas no WhatsApp. Forçar as empresas a adicionar um carimbo permanente a todas as mensagens privadas enviadas pelas pessoas marcaria o fim das conversas particulares – tudo o que você disser ou encaminhar seria rastreado e poderia ser usado contra você. Esperamos que a Câmara dos Deputados defenda o direito de longa data à privacidade para os brasileiros e reconheça que enfraquecer a privacidade de todos e colocar pessoas inocentes em risco não é a solução".

O QUE HÁ DE NOVO