STF é acusado de fazer política para beneficiar Maia e Alcolumbre - JORNAL 21 BRASIL
Anúncio


Publicidade
Anúncio

Talvez você tenha perdido

Anúncio
Continuar depois da publicidade

DESTAQUE DA SEMANA

GOVERNO IDIANO DÁ RASTEIRA EM DORIA LIBERA 2 MILHÕES DA VACINA QUE TEM 70% DE EFICÁCIA PARA O BRASIL

 "Vacina de Oxford/AstraZeneca tem eficácia de 70% já na 1ª dose, apontam testes no Brasil" Quem tem pressa come cru, né João Dori...

STF é acusado de fazer política para beneficiar Maia e Alcolumbre




 Ministros do STF são acusados por tentarem liberar de forma inconstitucional a reeleição do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, e Davi Alcolumbre, presidente do Senado. 


Respeitando a relevância do julgamento virtual com votos na madrugada, o Supremo Tribunal Federal, sinaliza uma decisão que deveria ser política, mas, segundo o respeitado jornalista Cláudio Humberto do Diário do Poder, o objetivo é atender a ambição de reeleição dos presidentes do Senado e da Câmara, com um jeitinho politiqueiro. 


Sem mesmo disfarçar um “jeitinho” que está em curso, ignorando o parágrafo 4º do artigo 57 da Constituição, que proíbe a reeleição do presidente da Câmara e do Senado.


Leia aqui; 

"Em julgamento estranhamente virtual, apesar de sua relevância, com votos na madrugada, o Supremo Tribunal Federal (STF) sinaliza uma decisão política para atender a ambição de reeleição dos presidentes do Senado e da Câmara. É até chocante o “jeitinho” em curso, ignorando, em vez de proteger, o parágrafo 4º do artigo 57 da Constituição, que proíbe categoricamente a reeleição dupla Rodrigo Maia/Davi Alcolumbre." -Cláudio Humberto


 

No julgamento, até o momento, votaram pela possibilidade de reeleição na Câmara e no Senado os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski.


Kassio Nunes Marques votou pela possibilidade de reeleição no Senado, mas não na Câmara.


A ministra Rosa Weber seguiu Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia e votou contra a possibilidade de reeleição.


Faltam votar; Luiz Fux, Luiz Barroso e Edson Fachin.