a maior Perseguição a cristãos na Índia em todos os tempos

Por; Rosinaldo Pereira /colunista
Kasabi Samari, uma mulher de 55 anos, recentemente foi atacada por seus vizinhos. 
O caso ocorreu na aldeia onde ela vivia, na região de Chhattisgarh, leste da Índia. 
primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, faz muitos discursos sublinhando que o seu governo trata “todas as religiões com o mesmo respeito”. 





Kasabi Samari, uma mulher de 55 anos, recentemente foi atacada por seus vizinhos. 
O caso ocorreu na aldeia onde ela vivia, na região de Chhattisgarh, leste da Índia. 
primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, faz muitos discursos sublinhando que o seu governo trata “todas as religiões com o mesmo respeito”. 


Contudo, desde que ele assumiu o posto, os cristãos na Índia estão enfrentando com um aumento da violência, ataques e restrições de direitos. 
Na avaliação do pastor Richard Howell, da Associação Evangélica da Índia, “O hinduísmo político chegou ao governo e a perseguição de minorias recomeçou … Todas as semanas há três ou quatro incidentes de grupos armados atacando cristãos”. 


Plantadores de igrejas indianos que trabalham com missões estrangeiras relatam que muitos líderes cristãos vêm sendo presos, forçados a fugir de suas casas e atacados por seu envolvimento na pregação do evangelho. 
Os novos convertidos seguidamente são atacados e sofrem com a violência e a exclusão dentro de suas comunidades por terem abandonado as crenças milenares do hinduísmo. 
De acordo com a Portas Abertas, mesmo em estados onde não existem leis proibindo a conversão, há estruturas locais que restringem a liberdade dos cristãos. 
O radicalismo hindu está crescendo e dificilmente aqueles que atacam igreja ou cristãos sofrem algum tipo de punição. 


Essa perseguição chegou a um recorde histórico, pois além da multiplicação de ataques a templos cristãos também está afetando instituições de caridade mantidas por eles. 
A Compassion International afirma: “O que estamos enfrentando é um ataque sem precedentes, altamente coordenada, feita de maneira deliberada e sistemática com o objetivo de nos expulsar do país”. 
Atuando na Índia desde 1968, a Compassion atualmente ajuda cerca de 145.000 crianças que vivem em extrema pobreza. 
“O governo acredita erroneamente que estamos usando dinheiro para converter indianos ao cristianismo”, diz Stephen Oakley, Conselheiro Geral da Compassion International. 
“Isso é discriminação religiosa, pura e simples.” Oakley ressalta que essa “lista de observação” é apenas mais uma dentro de uma série de medidas fiscais que tentam revogar as permissões para operações e várias formas de assédio e intimidação. 


Para a organização, isso só prejudicaria os mais pobres, uma vez que as milhares de crianças atendidas por ela não recebem nenhum tipo de suporte do governo. 
Os cristãos são menos de 5% da população e a maioria vive nas áreas mais pobres e, portanto, são mais vulneráveis. 




Continue lendo....