EM DESTAQUE

Juiz absolve Adélio de tentativa de homicídio a Bolsonaro

O juiz federal Bruno Savino absolveu Adélio Bispo de Oliveira, em razão de ele ter sido considerado inimputável, informa Mateus Coutinho...

Estado Islâmico anuncia convocação de muçulmanos para “guerra total” contra cristãos

(Sem Deus não há vida, sem família não há base para nada...)



Por; Rosinaldo Pereira




O Ramadã é um mês de rituais severos para os muçulmanos, incluindo jejuns durante o dia e a intensificação de preces, mas marca também a intensificação da pregação extremista por grupos como o Estado Islâmico, que acaba de usar o período como incentivo para convocar uma “guerra total” contra os infiéis.
O conceito desses grupos extremistas é simples: converta-se ao islamismo, ou morra. E os infiéis são todos aqueles que estão fora da religião muçulmana: cristãos, judeus, ateus, hindus e até mesmo seguidores de Alá que não compartilham de suas interpretações do corão.
De acordo com informações do jornal The Independent, o Estado Islâmico reiterou aos muçulmanos de todo o mundo sua convocação à guerra em um comunicado que pede um “ritual sangrento” contra os “infiéis”.
“Irmãos muçulmanos na Europa que não podem alcançar as terras do Estado islâmico, ataquem [os infiéis] em suas casas, mercados, estradas e fóruns… Façam isso e então alcançarão uma grande recompensa até mesmo pelo martírio no Ramadã”, afirmou um porta-voz do Estado Islâmico através de um comunicado.

Recentemente, o Estado Islâmico tem se mantido ativo com atentados terroristas de maior e menor repercussão, seja na Europa ou em países do Oriente Médio. O mais chamativo aconteceu em Manchester, no último dia 23 de maio, resultando na morte de 22 pessoas, incluindo crianças, adolescentes e jovens.

“Não desprezem sua missão [terrorismo]”, salientou o Estado Islâmico, ordenando os muçulmanos a aderirem ao extremismo.

Ramadã

A Missão Portas Abertas, entidade cristã que atua no mundo todo, incluindo países de maioria muçulmana, tem experiência sobre o que é o ramadã, o chamado “mês sagrado” do islamismo, que impõe 30 dias de “jejum e reflexão” e vem ficando marcado como um período de aumento da radicalização.
“O jejum do Ramadã é um dos cinco pilares da fé islâmica e é obrigatório para todos os seus seguidores. Trata-se de um tempo especial em que os muçulmanos se reúnem em oração e é considerado uma oportunidade especial para reviver, renovar e revigorar sua prática de fé. A palavra Ramadã tem origem na palavra árabe ‘ramida‘ que significa ‘ser ardente'”, explica a Portas Abertas
Seguir no twitter;

Continue lendo e deixe seu comentário....


-A esquerda quer nos calar! não deixe que isso aconteça, curta nossa página...


Deixe seu comentário aqui!


  • APÓS COMENTAR, VOLTE PARA CAPA
  • Compartilhe Agora