lava-jato pode naufragar; o ministro Ricardo Lewandowski assume presidência de Turma do STF que julga Lava-Jato





lava-jato pode naufragar; o ministro Ricardo Lewandowski assume presidência de Turma do STF que julga Lava-Jato

Em: __Por: Rosinaldo Pereira

__ 6/06/2018


lava-jato pode naufragar; o ministro Ricardo Lewandowski assume presidência de Turma do STF que julga Lava-Jato




O ministro Edson Fachin deixa nesta terça-feira (5) a presidência da 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal), depois de um ano à frente do colegiado. A 2ª Turma é responsável por julgar os processos da Operação Lava Jato. Cabe ao presidente definir a pauta de julgamentos e conduzir o andamento das sessões. 


Fachin é o relator dos processos da Lava Jato no STF e permanecerá na função após deixar a presidência da Turma.

Na próxima terça-feira (12), assume a presidência da 2ª Turma o ministro Ricardo Lewandowski, eleito para a função na sessão desta terça.


Relembrando
O ministro Ricardo Lewandowski, concedeu habeas corpus para revogar a prisão cautelar de um integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC). Em decisão de quinta-feira, ainda no recesso do Judiciário, o ministro concluiu que a prisão cautelar por longo prazo, no caso, era “desnecessária”, pois não há alegação de que o acusado interferiu no processo criminal.

Lewandowski determinou que o acusado use tornozeleira eletrônica e fique proibido de deixar a cidade onde mora. “Da análise detida dos autos, constato a existência de constrangimento ilegal na manutenção da segregação cautelar, pois, como se sabe, a presunção de inocência é princípio fundamental, de tal sorte que a prisão, antes da condenação definitiva, é situação excepcional no ordenamento jurídico”, escreveu.








Compartilhe em "grupos" e alcance mais pessoas:

Seguir no twitter;


"Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem"



Barroso desmonta falácia que culpa prisão em segunda instância por superpopulação carcerária (veja o vídeo)

Em seu voto a favor da manutenção do entendimento que permite a prisão após condenação em segunda instância, o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, fez questão de desmontar uma das falácias mais patéticas utilizadas pelo ex-advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardoso em desfavor de tal entendimento.
Para o petista, a prisão em segunda instância seria uma das responsáveis pela superpopulação carcerária. A afirmação é mentirosa, e Barroso a esmigalhou com números concretos do sistema penitenciário em seu voto.

Confira:



"A CORRUPÇÃO MATA NA FILA DO HOSPITAL"




Eis o que Dias Toffoli pensava sobre prisão em segunda instância (antes de Lula ser preso)

>

A esquerda já tentou nos calar, seja nossa vós, curta nossa página e receba diáriamente notícias do governo Bolsonaro. -Somos de #DIREITA

Pátria amada Brasil até morrer!
Grupo Público · 50.197 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.

Destaque do dia..

Augusto Aras praticamente pede para STF derrubar prisão em segunda instância

Augusto Aras parou com seus rodeios e foi mais claro: ele não concorda com a obrigatoriedade da prisão de condenados em segunda instânci...


As mais lidas do dia..