Neste site tem: "Black Friday"







Maduro armou 1,6 milhão de civis com armas de guerra para enfrentar EUA, Brasil ,Colômbia

Em: __Por: Rosinaldo Pereira

__ 12/27/2018




Maduro armou 1,6 milhão de civis com armas de guerra para enfrentar EUA, Brasil ,Colômbia







Menos de uma semana depois de ter denunciado um suposto plano para derrubá-lo e assassiná-lo, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fez novas declarações agressivas contra os Estados Unidos e os vizinhos Brasil e Colômbia.
Alegando a defesa do território venezuelano, Maduro disse que a milícia do país agora tem 1,6 milhão de integrantes e vai “armá-los até os dentes”.


Maduro ainda afirmou que, no caso de uma invasão do inimigo “imperialista”, as tropas agressoras “não sairiam vivas” do território venezuelano.
“Vamos defender nossa pátria dos imperialistas, oligarcas e traidores, estejam em Bogotá ou em Brasília”, insistiu Maduro, na noite de segunda-feira, 17, ao falar para voluntários integrantes de milícias em Caracas.


  • O número é três vezes maior do que os “400 mil” membros que o regime havia informado em abril. Um dos mais polêmicos projetos de Chávez na área de segurança foi a criação de milícias encarregadas de proteger o governo. Elas contam com homens e mulheres, civis, que portam armas de uso exclusivo das Forças Armadas.



  • Uma parcela minoritária dessas milícias está organizada de forma semelhante às brasileiras, alimentadas por “contribuições” de moradores, regulação de serviços e captura de armas obtidas em confrontos com o narcotráfico.



Pesam contra esses grupos denúncias de extorsão – a oposição as considera grupos paramilitares. Algumas, conhecidas como “colectivos”, têm treinamento militar avançado, recebem apoio do governo e fazem campanha pelo chavismo.

Maioria não tem treinamento

Maduro não deixou claro como teria conseguido quadruplicar o número de integrantes das milícias em oito meses, mas analistas acreditam que se trata de um número inflado.


“Maduro está usando o contingente de pessoas dispostas a pegar em armas para defender o chavismo e os tratando como soldados treinados, o que não é o caso”, disse Benigno Alarcón, analista de segurança e especialista em Defesa e conflitos na Universidade Católica Andrés Bello, em Caracas. “Ao menos 60% dessas pessoas não têm treinamento militar.”
Segundo o jornal venezuelano “El Nacional”, Maduro pediu aos militares venezuelanos para desenvolver planos preventivos ante “qualquer movimento estranho de grupos paramilitares ou infiltrados” e esforços para “defender cada centímetro do território dos inimigos do país”.


Com a posse do presidente eleito brasileiro, Jair Bolsonaro, se aproximando, a tensão entre Brasil e Venezuela aumenta. Na semana passada, Maduro disse que o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, passou instruções a Bolsonaro sobre um plano para derrubá-lo quando os dois se encontraram no Rio de Janeiro, em 29 de novembro.


“O povo deve aprender, como fez o povo do Vietnã, a defender sua terra com uma faca, com uma pedra, com um porrete, com um bastão, com o próprio corpo, com o que for necessário”, afirmou Maduro.
No último fim de semana, foram publicados na internet vídeos de treinamento de civis sem uniformes e de milicianos. Eles são vistos fazendo exercícios físicos e de tiro, incluindo idosos em idade avançada. Nas redes sociais, muitos ridicularizaram e compararam a imagem com a dos soldados dos EUA, a força militar mais poderosa do mundo.


Os milicianos ganham do governo apenas as roupas: um chapéu, botas pretas e um uniforme militar verde com muitos bolsos. Todos os sábados, recebem instrução militar, prática e teórica por cinco ou seis horas.
Cada batalhão pode ser composto por até 300 voluntários. Os que trabalham há mais tempo na milícia recebem seguro-saúde e um salário mínimo do governo chavista.



Se você não divulgar, a Globo não divulga: Compartilhe em "grupos" e alcance mais pessoas:


Seguir; Aliança pelo Brasil

Seguir no twitter;




Uma página 100% de DIREITA. Você pode e tem voz.



"Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem"


O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a Imprensa livre sem dinheiro público, doando qualquer valor. Acesse:








ALIANÇA PELO BRASIL: "Este é um momento histórico, onde a maioria silenciosa finalmente terá voz". Ajude o presidente, curta a Página


Pátria amada Brasil até morrer!
Grupo Público · 50.197 membros
Participar do grupo
Temos total liberdade de apoiarmos a direita encabeçada por Jair Bolsonaro e depois Sergio Moro. junte-se a nós.

Destaque do dia..

Em menos de 24 horas, redes sociais do novo partido de Bolsonaro se aproxima de 300 mil seguidores

Na noite da última terça-feira (12), o presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou sua saída do PSL após muitas divergências com ...

As mais lidas do dia