Anúncio
100% digtal
Publicidade

Anúncio

DESTAQUE DA SEMANA

DORIA NÃO FALOU PARA O POVO QUE FALTA INSUMOS NA CHINA; COMEÇOU O ALVOROÇO, PALANQUE ELEITORAL

  Está faltando a verdade...  A Covishield, versão indiana do imunizante da AstraZeneca, não chegou e o lote do Butantan é limitado. Faltam ...

Talvez você tenha perdido

Continuar depois da publicidade

Padre confessa ter discutido com eleitora de Bolsonaro antes da missa


"Um padre politiqueiro" 


O bispo da Diocese de Limeira, Dom José Roberto Fortes Palau, disse que o padre Edson Adélio Tagliaferro, que criticou Jair Bolsonaro durante uma missa, “reconhece que se excedeu em suas palavras e pede desculpas ao Sr. Presidente da República e a todos que se sentiram de algum modo atingidos”. Tagliaferro é o religioso que chamou Bolsonaro de “bandido” durante a homilia de uma celebração na última quinta-feira. O vídeo viralizou nas redes sociais.

Em nota, o bispo afirmou que “infelizmente” o trecho da homilia “ganhou repercussão midiática pelo uso de palavras inadequadas” em referência ao presidente. Segundo Dom José Roberto, “qualquer opinião pessoal e isolada não representa a posição da Diocese de Limeira”. Ele disse que a Igreja Católica “não se identifica com nenhuma ideologia ou partido político”.

Veja;  Padre Zezinho repreende padre que falou mal Bolsonaro: “Não use o púlpito para dividir o povo católico!”

Pároco da Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores, do município paulista de Artur Nogueira, Tagliaferro afirmou ontem (5) que sua fala foi “descontextualizada”, mas ressaltou que havia discutido no dia da missa com uma eleitora de Bolsonaro. 
"É bom que saibam reconhecer no padre um ser humano que também sofre as incoerências da vida, tem suas lutas interiores e desafios exteriores a enfrentar. Naquele dia específico, eu tive uma conversa acalorada com uma apoiadora do presidente da República. Isso talvez tenha sido decisivo para o ocorrido".
Na homilia, o padre condenou a postura do governo diante da pandemia de covid-19. 
"Um país que já chegou a 60 mil mortos pela pandemia e não tem um ministro da Saúde, vocês querem que eu fale o que? Aquilo que todos falam, que ele não trabalha porque não deixam ele trabalhar? Não! É porque ele não presta. Bolsonaro não vale nada”, afirmou. “Quem votou nele deveria se confessar, pedir perdão a Deus pelo pecado que cometer, porque elegeu bandido para a Presidência", completou.
Não é a primeira vez que padres criticam políticos no momento em que rezam a missa.

Veja;  Padre Zezinho repreende padre que falou mal Bolsonaro: “Não use o púlpito para dividir o povo católico!”

Veja o vídeo aqui

Informações congresso em foco