EM DESTAQUE

Juiz absolve Adélio de tentativa de homicídio a Bolsonaro

O juiz federal Bruno Savino absolveu Adélio Bispo de Oliveira, em razão de ele ter sido considerado inimputável, informa Mateus Coutinho...

A PF já está na cola dos que ameaçaram Sergio Moro por não acatar a ordem ilegal de soltura de lula

A PF já está na cola dos que ameaçaram Sergio Moro por não acatar a ordem ilegal de soltura de lula

A PF já está na cola dos que ameaçaram Sergio Moro por não acatar a ordem ilegal de soltura de lula


PF no Paraná já está investigando as ameaças a Sergio Moro



Publica o antagonista, -A PF no Paraná já está investigando as ameaças a Sergio Moro por não acatar a ordem de soltura de Lula –ilegal, como o STJ confirmou hoje– no último domingo.
Segundo Fausto Macedo, as investigações correm em sigilo, em procedimento já aberto anteriormente. O repórter do Estadão cita a “coletânea” de tuítes ameaçadores feita por Marcelo Bretas.

Como também já publicamos, a segurança de Moro deve ser reforçada quando ele retornar das férias.
Opinião; Vamos ver agora quem ameaçou o juiz federal Sergio Moro. Estão esquecendo que os tribunais de Curitiba funciona, e como funciona, prendam todos.
Veja também; STJ ENTERRA LULA DE VEZ; CONFIRMA TRF-4 E NEGA LIBERDADE A LULA
Sob ameaças, Sérgio Moro tem proteção federal 24 horas por dia





Ajufe   "Associação dos Juízes Federais" sobre ameaças a Moro: “É inadmissível”

Ajufe "Associação dos Juízes Federais" sobre ameaças a Moro: “É inadmissível”

Ajufe   "Associação dos Juízes Federais" sobre ameaças a Moro: “É inadmissível”




Fernando Mendes, recém-empossado presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), acaba de divulgar a seguinte nota sobre ameaças feitas ao juiz Sergio Moro — a Polícia Federal investiga:
“A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), entidade de âmbito nacional representativa dos magistrados federais, vem a público defender, mais uma vez, a necessidade de respeito à independência judicial dos Magistrados que atuam em processos que envolvem ações de combate à corrupção.
A atuação da Justiça Federal em processos criminais, inclusive os que envolvem agentes públicos ou políticos acusados de corrupção, é isenta e imparcial, não havendo razão para se estranhar decisões que condenem e prendam pessoas consideradas culpadas, após o devido processo legal, independentemente do poder ou condição econômica e social. Trata-se de obrigação imposta pelo princípio da igualdade de todos perante a lei

É importante destacar que os Juízes Federais entendem que o direito à livre manifestação é constitucional, mas não pode transbordar para ofensas, agressões verbais, nem atentar contra instituições. É inadmissível que Magistrados, no exercício das funções constitucionais, sejam alvos de ataques pessoais, provenientes de figuras públicas ou de dirigentes de partidos políticos. Atitudes como essa, refletem uma visão autoritária e atentam contra o Estado Democrático de Direito.
A Ajufe, ao mesmo tempo em que se solidariza com os Magistrados que vêm sendo afrontados publicamente, não vai admitir qualquer ameaça que possa atentar contra as prerrogativas da Magistratura Federal. Não reconhecer a realidade dos fatos e não adotar medidas voltadas a sanar as distorções identificadas, com a devida punição dos responsáveis por desvios criminosos, é abrir caminho para o atraso que macula a legitimidade das instituições e afronta a sociedade brasileira.”


Sob ameaças, Sérgio Moro tem proteção federal 24 horas por dia

Sob ameaças, Sérgio Moro tem proteção federal 24 horas por dia

Sérgio Moro tem proteção federal 24 horas por dia






No Brasil costumam subestimar ameaças públicas de morte, mas, pelo sim, pelo não, o juiz Sérgio Moro tem proteção federal 24 horas por dia.
Uma pesquisa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aponta que 6 em cada mil magistrados estão sob ameaça no Brasil. O juiz Sérgio Moro recebe proteção diária de agentes de segurança.




Moro ia trabalhar de bicicleta. Frequentava restaurantes e shoppings de Curitiba e corria, sozinho, pelas ruas da cidade, mas tudo isso ficou para traz. 
Aposentou a bicicleta, passou a evitar programas familiares em lugares públicos e trocou o cooper ao ar livre pela esteira de uma academia. Mas nunca admitiu andar com escolta, embora estivesse no centro de uma atividade naturalmente fadada a despertar rancores. Após receber várias ameaças, o juiz federal Sergio Moro é acompanhado por 12 agentes federais 24 horas por dia.


Ainda segundo a revista Veja, agentes da Polícia Federal se revezam num esquema ostensivo ao redor de Moro. Em paralelo, policiais rastreiam a origem das ameaças e de telefonemas que o magistrado tem recebido. 

veja também; Ajufe   "Associação dos Juízes Federais" sobre ameaças a Moro: “É inadmissível”

Leia Bretas fala sobre ameaças a Moro (  marcou o Twitter do STF em sua publicação )

Ao barrar liminar fora da lei, Sergio Moro é ameaçado


Bretas fala sobre ameaças a Moro (  marcou o Twitter do STF em sua publicação )

Bretas fala sobre ameaças a Moro ( marcou o Twitter do STF em sua publicação )

Bretas fala sobre ameaças a Moro



Marcelo Bretas publicou em sua conta oficial no Twitter uma espécie de “coletânea” de tuiteiros que publicaram, ontem, que era preciso matar Sergio Moro.



O juiz da Lava Jato no Rio marcou o Twitter do STF em sua publicação.
“A Justiça brasileira não pode ser usada como instrumento de disputas políticas”, escreveu Bretas.
Só uma pergunta; Ninguém vai apurar essas ameaças?
veja; Ajufe   "Associação dos Juízes Federais" sobre ameaças a Moro: “É inadmissível”



Fortes "ameaças" a Sergio Moro após impedir golpe, Lula livre   ‘vamos ter que mandar matar’

Fortes "ameaças" a Sergio Moro após impedir golpe, Lula livre ‘vamos ter que mandar matar’

Fortes "ameaças" a Sergio Moro após impedir golpe, Lula livre   ‘vamos ter que mandar matar’




O juiz federal Sérgio Moro foi alvo de ataques neste domingo (8), após impedir que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixasse a prisão. O petista teve um habeas corpus ao seu favor aceito pelo desembargador Rogério Fravetto.




Assim que emitiu o pedido de soltura do ex-presidente Lula, Fravetto ouviu a dura resposta de Sérgio Moro, que afirmou que o colega do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) não tinha competência, na condição de plantonista, de determinar que o petista deixasse a cadeia.
Moro negou o despacho de Fravetto e o ex-presidente continuou atrás das grades. Em seguida, o desembargador emitiu novo pedido e deu o prazo de uma hora para que Lula fosse solto – ele está preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba, desde o dia 7 de abril.



Neste momento, o presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, determinou que Lula deveria continuar preso e que apenas o relator da Lava Jato no tribunal, João Pedro Gebran Neto, poderia decidir sobre o processo. Por conta de toda essa movimentação, o juiz federal responsável pelo julgamento da Operação Lava Jato em primeira instância, Sérgio Moro, recebeu ameaças no Twitter.
Rogério Fravetto, autor do pedido de libertação de Lula, foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) entre 1991 e 2010. Ele chegou ao TRF-4 em 2011, indicado pela ex-presidente Dilma Roussef.

Ajufe   "Associação dos Juízes Federais" sobre ameaças a Moro: “É inadmissível”








proibir prisões na 2ª instância 'estaremos fadados à corrupção sem fim', diz Moro

proibir prisões na 2ª instância 'estaremos fadados à corrupção sem fim', diz Moro

o jornal do brasil

proibir prisões na 2ª instância 'estaremos fadados à corrupção sem fim', diz Moro






proibir prisões na 2ª instância 'estaremos fadados à corrupção sem fim', diz Moro

O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, disse neste sábado (26), em evento na cidade de São Paulo, estar preocupado com a possível alteração do entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre as prisões na segunda instância.


Moro analisou que "estaremos fadados à corrupção sem fim", caso o Supremo proíba a execução da pena após decisão em segunda instância. Na avaliação do magistrado, a alteração do precedente jurídico significa "retroceder" no combate à corrupção.

leia também; SERGIO MORO; quem recebe propina paga por ela
"O próprio Supremo que teve um grande mérito em proferir esse julgamento em 2016, teve a sensibilidade de perceber a relação íntima da impunidade com a corrupção sistêmica", afirmou. 



Na ocasião, os ministros autorizaram que réus fossem presos após condenação em segunda instância. Anteriormente, eles podiam aguardar em liberdade enquanto eventuais recursos não fossem julgados. Porém, o tema voltou a ser discutido nesta semana no STF.
leia também; lula será julgado e condenado em 2ª instância no TRF-4 muito antes das eleições

Para o magistrado, o entendimento que está em vigor consiste em dizer aos "barões da corrupção" que acabou o "tempo da impunidade". "Talvez tenha chegado o fim do tempo da impunidade dos barões da corrupção. Essa é uma das alterações da execução penal fundamental para gerar essa expectativa para o fim da impunidade", disse. As informações citadas acima noticias.uol

A TENTATIVA DE EXPULSAR MORO DA LAVA JATO FALHOU, Tribunal garante Moro na Lava Jato

A TENTATIVA DE EXPULSAR MORO DA LAVA JATO FALHOU, Tribunal garante Moro na Lava Jato




A TENTATIVA DE EXPULSAR MORO DA LAVA JATO FALHOU, Tribunal garante Moro na Lava Jato


Os desembargadores da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) negaram nesta quarta-feira, 23, quatro exceções de suspeição movidas contra o juiz Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, por réus da Operação Lava Jato.
Segundo informou epocanegocios que condenação de Lula chega ao tribunal de segunda instância Funcionária diz que vai se ausentar para cuidar de saúde mental e resposta do chefe viraliza Como é a vida de Jeff Bezos 11 maneiras de relaxar de verdade Duas ações foram movidas pelos executivos da Construtora Queiróz Galvão - o ex-presidente da empresa Idelfonso Colares Filho e Othon Zanoide de Moraes Filho.

Segundo os advogados, Moro seria suspeito para julgar o processo criminal de seus clientes por ter se autodeclarado suspeito em um inquérito policial em que o doleiro Alberto Youssef era investigado em 2007.
Para as defesas, a suspeição deveria ser estendida para as ações atuais da Operação Lava Jato que envolvessem Youssef.
Outra alegação dos advogados da Iesa é que Moro teria assumido "postura favorável à acusação nos processos da Operação Lava Jato ao escrever um artigo publicado em 2004 pela Folha de São Paulo referente à Operação Mãos Limpas (da Itália)".




Para o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, a causa da suspeição do procedimento investigatório pretérito não se comunica com o atual contexto processual da Lava Jato.
Gebran assinalou que a declaração de suspeição de Moro naquela ação não tinha como foco o então investigado Youssef, mas atos praticados pela polícia, que o magistrado teria entendido como "tendenciosos".
Sobre o artigo na Folha de São Paulo, o desembargador observou que "este (o texto) teve índole meramente informativa e sequer é contemporâneo aos fatos investigados".
As defesas argumentaram ainda que a decretação de medidas cautelares também colocaria o magistrado da 13.ª Vara Federal de Curitiba sob suspeição.
Conforme o desembargador, a determinação de diligências, a decretação da prisão dos investigados na fase pré-processual e o recebimento da denúncia fazem parte do cotidiano do magistrado na condução da causa, "sendo a externalização de suas impressões sobre os fatos necessária na fundamentação da medida, o que não pode ser confundido com comportamento tendencioso".

MORO PREOCUPADO; TALVEZ NÃO FIQUEM PRESOS EM OUTRAS INSTANCIAS



TALVEZ NÃO FIQUEM PRESOS EM OUTRAS INSTANCIAS


TALVEZ NÃO FIQUEM PRESOS EM OUTRAS INSTANCIAS 


O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da operação Lava Jato na primeira instância, disse nesta segunda-feira (21) que uma mudança como a debatida pela Câmara dos Deputados sobre alterações no Código do Processo Penal não é "necessariamente positiva".


"Um novo código é um projeto de envergadura, e tem que ser muito bem pensado. Rogo que isso seja muito bem refletido. Por vezes, a mudança não necessariamente é positiva", disse Moro, em evento realizado na Assembleia Legislativa do Paraná, mas que foi convocado pela comissão especial da Câmara dos Deputados para discutir o projeto de lei que pretende reformar o Código de Processo Penal, um conjunto de normas que regulamentam como os crimes são julgados.

Moro leu trechos e fez comentários para o documento que entregou aos parlamentares. Com mais de 40 páginas, o texto reúne 23 sugestões reunidas pelo magistrado ao projeto de reforma do Código.

TALVEZ NÃO FIQUEM PRESOS EM OUTRAS INSTANCIAS 

Defendeu a manutenção do cumprimento da pena após a sentença ser confirmada em segundo grau --o que já ocorre no Brasil desde fevereiro do ano passado, após decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). Até então, exigia-se o trânsito em julgado --termo técnico que significa que é preciso que se esgotem todos os recursos jurídicos possíveis. "Anteriormente, tínhamos processos que nunca terminavam. Os tribunais superiores são abarrotados, não têm condições de julgar em tempo razoável", afirmou. informações de UOL

cientista político detona Sergio Moro ' É vergonhosa a atuação dele '


cientista político detona Sergio Moro ' É vergonhosa a atuação dele '

cientista político detona Sergio Moro ' É vergonhosa a atuação dele '


Em entrevista à TV 247, o cientista político e professor Aldo Fornazieri criticou o que chamou de "parcialidades" da Operação Lava Jato e avaliou que a investigação, embora tenha um papel importante no combate à corrupção, "se perdeu"; "Ela se perdeu nas parcialidades, na ação persecutória do Moro e de procuradores contra o Lula", afirmou; para ele, "Moro agiu politicamente em todo o processo".

"Ele foi copartícipe do processo do golpe, não tenho dúvidas disso", ressaltou; "É vergonhosa a atuação dele"; Fornazieri faz uma crítica à esquerda na reação contra o golpe e defende a criação de uma frente progressista para 2018, com um programa de governo; "O mais importante é a unidade, porque a fragmentação favorece aqueles que deram o golpe", diz;




VEJA O VIDEO; APOSENTADORIA DE DILMA FOI IRREGULAR www.brasil247.com

MORO nega o pedido de lula e volta a ficar cara a cara outa vez



MORO nega o pedido de lula e volta a ficar cara a cara outa vez 

O juiz federal Sérgio Moro negou nesta sexta-feira (18) o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender os interrogatórios relativos à segunda ação penal contra o petista na Operação Lava Jato, marcados para setembro.
Entre os interrogatórios está o de Lula, agendado para o dia 13, em Curitiba.

O processo apura supostas vantagens oferecidas ao ex-presidente pela Odebrecht, em troca de favorecimentos à empreiteira em contratos com a Petrobras.
Os advogados de Lula alegam que não tiveram acesso a documentos, anexados na ação, que seriam necessários para a defesa e para a inquirição de testemunhas que já foram ouvidas.

JUIZ SERGIO MORO TEM UM ENCONTRO COM CRISTO

JUIZ SERGIO MORO TEM UM ENCONTRO COM CRISTO


JUIZ SERGIO MORO TEM UM ENCONTRO COM CRISTO


JUIZ SERGIO MORO TEM UM ENCONTRO COM CRISTO


segundo a revista Time que publicou quem são os evangélicos mais influentes do mundo.
O juiz Sergio moro é o único brasileiro segundo a revista.



O único brasileiro na lista da Time é o juiz Sergio Moro, que conduz as operações da “Lava Jato”. Embora haja um boato na internet de que ele seja membro de uma igreja batista, sua mãe afirma que é um católico praticante. Na página de Facebook criada pela esposa, foi revelado que ele precisou esconder seu perfil na rede social por causa da fama.

Chama atenção o fato que ele usa como imagem não uma foto sua, mas a do juiz britânico William Erle, que viveu século XVIII. Protestante, Erle ficou famoso por sua postura conservadora e, devido ao momento vivido pela Inglaterra, defendia a ruptura definitiva do país com a Igreja Católica.