destaque!

Acorda Brasil! "NIÓBIO" o Mundo inteiro de olho no metal que só o Brasil fornece ao mundo está no Amazonas

"Nióbio, o metal que só o Brasil fornece ao mundo está no Amazonas" A reserva mineral de nióbio localizada na região denomi...





Davi Alcolumbre garante, "não tem impeachment de ministros do Supremo nem que a vaca tussa"

Davi Alcolumbre garante, "não tem impeachment de ministros do Supremo nem que a vaca tussa"



Em sua entrevista ao Estadão, Davi Alcolumbre comentou a possibilidade de pautar impeachment de ministros do Supremo:

“Isso que não está na pauta e nem está passando na cabeça do presidente do Senado pautar isso. Estamos vivendo um momento delicado para o Brasil. Uma briga institucional não vai fazer bem para 200 milhões de brasileiros.”



-Agora vemos como Alcolumbre ganhou a presidência do senado.  Um suposto "acordão" para livrar os ministros das cortes superiores e estes continuarem defendendo políticos Corruptos. Seria isto mesmo, ou um mero pesamento meu?

Davi Alcolumbre barra a CPI da Lava Toga




O presidente do Senado, Davi Alcolumbre disse que não existe a menor hipótese de ele levar adiante  a chamada CPI da Lava Toga 





Alcolumbre (DEM-AP), disse ao Poder360 que não existe a menor hipótese de ele levar adiante qualquer tentativa de investigação contra o Supremo neste momento. Para o demista, a chamada CPI da Lava Toga criaria 1 embate desnecessário entre Legislativo e Judiciário. 

Não é o momento para discutir isso no Brasil. Não podemos criar 1 embate desnecessário entre os Poderes. É hora de cada Poder continuar a ter sua prerrogativa de trabalhar de maneira independente e em harmonia com os demais”, diz o presidente do Senado.

Nesse caso, o Ministro Gilmar Mendes continuará sendo o Rei da cocada preta. -Agora! só as Forças Armadas para nos ajudar. 

Compartilhem! #FFAANOSTF 

STF, pressiona PGR para abertura de inquérito contra os deputados que assinaram o pedido de impeachment de quatro integrantes da corte



Para começar, o STF continua uma vergonha

Segundo a Folha de S. Paulo, “ministros do STF estão dispostos a cobrar da PGR a abertura de um inquérito para investigar o crime de denunciação caluniosa contra os deputados que assinaram o pedido de impeachment de quatro integrantes da corte.”



Deputados querem impeachment de ministros do STF no caso da homofobia, é o que diz o texto publicado por "o Antagonista".

Leia aqui;

"Dezesseis deputados de PSL, Podemos e DEM vão protocolar hoje no Senado um pedido de impeachment dos quatro ministros do STF que votaram a favor de criminalizar a homofobia".



Eles argumentam que os ministros invadiram a competência do Legislativo.



DENÚNCIA! STF tenta aplicar "GOLPE na lava-jato", transferindo investigações de corrupção para a Justiça Eleitoral



STF tenta aplicar GOLPE na lava-jato, transferindo investigações de corrupção para a Justiça Eleitoral

O procurador Diogo Castor, da força-tarefa da Lava Jato, denuncia a manobra do STF para tentar transferir investigações de corrupção para a Justiça Eleitoral.


O julgamento fatídico está marcado para dia 13 de março, na Segunda Turma.



O "STF é mesmo uma vergonha"

“Como no Brasil todo político corrupto pede propina a pretexto de uso em campanhas políticas, se o entendimento da turma do abafa sobressair, praticamente todas as investigações da Lava Jato sairiam da Justiça Federal e iriam para Justiça Eleitoral, isto incluindo complexas apurações de crimes de lavagem de dinheiro transnacional, corrupção e pertencimento à Organização criminosa”, diz Castor.



Leia a íntegra abaixo:

Embora poucos tenham percebido, há algum tempo vem sendo ensaiado na Segunda Turma do STF o mais novo golpe à Lava Jato: a Justiça Eleitoral é competente para todos os casos relacionados à operação em que haja a alegação de que a propina recebida pelo político é para uso campanha eleitoral. O argumento é que neste caso haveria conexão da corrupção com o crime de caixa 2 eleitoral, cabendo então à Justiça Eleitoral investigar todos os crimes federais relacionados.

Para começar a compreender o problema, devemos entender que no Brasil existem as seguintes justiças com competência criminal: 1. Justiças especiais: da qual são espécie a Justiça militar e a Justiça eleitoral; 2. Justiça comum, da qual são espécies a Justiça Federal e a Justiça Estadual.



Pelo texto atualmente vigente do Código de Processo Penal, havendo conexão entre um crime comum de competência da Justiça Comum (federal e estadual) e um crime de competência da Justiça Especial Eleitoral, esta última deveria exercer força atrativa e julgar tudo (CPP, Art. 78, IV). É este o argumento da turma do “abafa”.

Contudo, como a competência da Justiça Federal decorre diretamente da Constituição Federal e não pode ser modificada por uma lei ordinária como é o Código de Processo Penal, há muito tempo o Superior Tribunal de Justiça, a quem cabe decidir eventuais conflitos de competência entre as justiças, vem afastando esta força atrativa da Justiça Eleitoral, determinando a separação dos feitos. Sobre o tema, há incontáveis precedentes que vem sendo ignorados pela 2ª Turma do STF. Em razão da controvérsia e dos potenciais danos, em 20 de novembro de 2018, a 1a Turma do STF, a pedido da PGR, afetou o tema ao Plenário. O julgamento está pautado para o próximo dia 13 de março.

Agora, como no Brasil todo político corrupto pede propina a pretexto de uso em campanhas políticas, se o entendimento da turma do abafa sobressair, praticamente todas as investigações da Lava Jato sairiam da Justiça Federal e iriam para Justiça Eleitoral, isto incluindo complexas apurações de crimes de lavagem de dinheiro transnacional, corrupção e pertencimento à organização criminosa, que exigem minuciosas técnicas de investigação e são atualmente processados nas Varas especializadas da Justiça Federal. Logo, praticamente não haveria mais competência das Varas Especializadas da Justiça Federal, que poderiam inclusive fechar as portas. Seria o fim da Lava Jato.

Esse entendimento pouco razoável começou a ser costurado na 2ª Turma do STF desde o começo do 2018, com o envio à Justiça Eleitoral de diversos depoimentos relacionados à colaboração premiada da Odebrecht em que se afirmava que o dinheiro sujo foi solicitado e pago a pretexto de ser usado em campanha política.



Entre os casos declinados, estava o INQ 4428, do ex-senador Jose Serra (PSDB-SP), em que ele é suspeito de receber nada menos que R$ 10 milhões como propina pelo favorecimento da Odebrecht nas obras do Rodoanel em São Paulo. Como o político teria afirmado que o dinheiro ia para campanha à presidência de 2010, o caso atualmente repousa tranquilo na Justiça Eleitoral, que é o sonho de todo político corrupto.

A Justiça Eleitoral não possui quadro próprio de juízes e promotores, mas sim membros de primeira instância transitórios (os julgadores e membros do Ministério Público tem mandato de dois anos) e a composição dos Tribunais eleitorais é feita por magistrados 100% provenientes de indicações políticas. Não tem estrutura e nem especialização para investigar crimes de colarinho branco. Historicamente, não condena ou manda ninguém para prisão.



A Operação Lava Jato trouxe importantes avanços na efetividade da Justiça Criminal no país. Mas, é utópico imaginar que a credibilidade adquirida ao longo dos anos faz uma blindagem contra ataques covardes engendrados nas sombras. Fiquemos atentos. (conteúdo, O Antagonista)


LAVA TOGA COM URGÊNCIA!

-Já Passou da hora da população pedir a intervenção militar no STF nas RUAS, e não nas redes sociais.

Pedido de impeachment de Lewandowski, ministro do STF foi protocolado no Senado



Pedido de impeachment de Lewandowski, ministro do STF foi protocolado no Senado

É acusado de abuso de poder

Por pedir prisão de advogado

Homem foi encaminhado à PF

Um grupo de advogados, membros do movimento Nas Ruas e do MBL (Movimento Brasil Livre), protocolou nesta 4ª feira (20.fev.2019), no Senado, 1 pedido de impeachment contra Ricardo Lewandowski, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal). Eis a íntegra.



O texto acusa Lewandowski de quebra de decoro e abuso de autoridade no episódio em que ele foi abordado pelo advogado Cristiano Caiado de Acioli, durante 1 voo comercial de São Paulo para Brasília em 4 de dezembro de 2019. Na ocasião, o ministro pediu a prisão do advogado por criticar o Supremo.



No entanto, para que o impeachment seja aprovado, são necessários os votos de pelo menos 54 senadores. A Casa nunca levou adiante os pedidos de punição contra ministros do STF.


Com pressa para arquivar, Alcolumbre erra e "CPI da Lava Toga" deve voltar com mais força

Com pressa para arquivar, Alcolumbre erra e "CPI da Lava Toga" deve voltar com mais força



Davi Alcolumbre, possivelmente na pressa de encerrar a questão, cometeu um erro crucial, em confronto direto com o regimento interno do Senado Federal.



Com a retirada da assinatura de três senadores – Tasso Jereissati, do PSDB, Eduardo Gomes, do MDB, e Kátia Abreu, do PDT – o presidente do Senado arquivou o requerimento, sob a alegação de que não possuía as 27 assinaturas mínimas exigidas para que uma CPI fosse criada.


Porém, no recurso proposto, Alessandro Vieira demonstra que o regimento da Casa é claro, determinando que em casos assim, o pedido deve retornar ao autor. Ou seja, não poderia jamais ter sido arquivado pelo motivo alegado.


Resumo da ópera: As 27 assinaturas terão que ser novamente recolhidas, mas certamente a proposta voltará muito mais forte, notadamente se a sociedade se mobilizar.
Chegou a hora de disparar a hashtag:
#CPIdaLavaTogaJá
#LAVATOGASIM 


MINISTROS DO STF ATUARAM PARA ARQUIVAMENTO DA CPI DA LAVA TOGA



Os ministros do STF atuaram nos bastidores, durante o fim de semana, para que o Senado recuasse da abertura de uma CPI para investigar o "ativismo judicial" em tribunais superiores; senadora Kátia Abreu (PDT-TO) afirmou que teve uma conversa por telefone com o ministro do STF Gilmar Mendes antes de recuar; senador Alessandro Vieira (PPS-SE), autor do pedido de criação da CPI, disse que houve ameaça de retaliação por parte de ministros.



Kátia afirmou que teve uma conversa por telefone com o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes antes de recuar. De acordo com a parlamentar, senadora, este não é o momento para abrir uma crise institucional no País.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, Vieira disse que houve ameaça de retaliação por parte de ministros.



Ao apresentar o pedido de criação da CPI, o senador do PPS-SE apontou o "uso abusivo de pedidos de vista ou expedientes processuais para retardar ou inviabilizar decisões do plenário" e a "diferença abissal do lapso de tramitação de pedidos, a depender do interessado". São duas questões que dizem respeito direto ao funcionamento interno do Supremo.

Carvalhosa protocola notícia-crime contra Lewandowski

Carvalhosa protocola notícia-crime contra Lewandowski



Segundo informações do site de notícias online, o Antagonista,  

Carvalhosa protocola notícia-crime em face de Lewandowski.


Leia aqui; 

Em documento assinado e protocolado na PGR pelo jurista Modesto Carvalhosa, o advogado Cristiano Caiado de Acioli ofereceu notícia-crime para a apuração em procedimento investigatório criminal da prática, em tese, de crime de abuso de autoridade por parte do ministro do STF Ricardo Lewandowski, do técnico judiciário identificado como Alexandre Gorgola e de agentes da Polícia Federal não identificados.



Os fatos narrados são relativos ao episódio que teve início quando Acioli disse a Lewandowski, dentro de um avião ainda em solo, que o STF é uma vergonha e ouviu dele a pergunta “Vem cá, você quer ser preso?”, seguida da ordem a uma comissária de bordo para que chamasse a PF.



Carvalhosa argumenta que “todo cidadão tem o direito de expressar publicamente se sente vergonha ou orgulho do Egrégio Supremo Tribunal Federal e não pode ser tolhido na sua liberdade de expressão, de consciência/crença e de locomoção por isso”.


Lewandowski, escreve o jurista, “é um servidor público incumbido de fazer Justiça, não de abusar do próprio poder”, mas “sua reação imediata” à declaração de Acioli sobre o STF “é a de restringir-lhe a liberdade, o que acaba se concretizando, quando determina que o Técnico Judiciário Requerido [Gorgola] detivesse a vítima, bem como os Agentes da Polícia Federal Requeridos o conduzissem coercitivamente para a Superintendência da Polícia Federal em Brasília para tomar-lhe interrogatório”.



Carvalhosa lembra ainda que o plenário do STF “declarou a impossibilidade de condução coercitiva de réu, investigado ou suspeito para interrogatório, estando a autoridade ou agente passível de responsabilização nas esferas disciplinar, civil e penal”.




CARVALHOSA PEDE IMPEACHMENT DE LEWANDOWSKI





O advogado Modesto Carvalhosa vai protocolar às 14h no Senado um pedido de impeachment do ministro Ricardo Lewandowski.

 Vamos ver se os novos Senadores do congresso vão honrar seus votos. Não vamos admitir perseguição desses Senhores do Supremo Desprezíveis.


Advogado detido por criticar STF pedirá impeachment de Lewandowski





Advogado detido por criticar STF pedirá impeachment de Lewandowski

O advogado que foi detido pela PF, após uma discussão com Ricardo Lewandowski durante um voo, vai pedir o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).


“Quem fiscaliza o Supremo? Quem faz alguma coisa com a conduta do ministro? Quem vai cuidar deste abuso de poder que o ministro cometeu ontem?”, indagou o advogado Cristiano Caiado de Acioli, de 39 anos, em entrevista ao “Café com Jornal” nesta quarta-feira (5).



Questionado pelo jornalista da “Rede Bandeirantes” se ele pretende tomar alguma ação judicial contra o ministro Ricardo Lewandowski. O advogado respondeu:

“Eu gostaria de ver o impeachment do ministro Lewandowski e eu vou até o final nisso. Ele não tem o decoro para ocupar este cargo. A toga é muito pesada para ele”, respondeu Cristiano. #compartilhe!









Bombando na WEB