URGENTE! MATÉRIA EM DESTAQUE

LEIA O TEXTO COMPLETO QUE BOLSONARO COMPARTILHOU E FERVEU TODOS OS PODERES

Por; Rosinaldo Pereira  Bastaram 5 meses de um governo atípico, “sem jeito” com o congresso e de comunicação amadora pa...

Rússia manda Trump ficar longe da Venezuela e tensão aumenta

Rússia manda Trump ficar longe da Venezuela e tensão aumenta



O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, advertiu seu colega norte-americano Mike Pompeo de que a continuação dos “passos agressivos” dos EUA em direção à Venezuela está repleta de “sérias conseqüências”. Mais cedo Pompeo havia reiterado as ameaças anteriores dos EUA de usar a força na Venezuela para derrubar o governo democraticamente eleito “se isso for necessário”.



“Foi indicado que a continuação de medidas agressivas é carregada das conseqüências mais sérias. Somente o povo venezuelano tem o direito de determinar seu destino, para o qual o diálogo entre todas as forças políticas do país é necessário. A pressão destrutiva de fora, especialmente a força, não tem nada a ver com o processo democrático “, disse Lavrov.

Lavrov falou a Pompeo por telefone na quarta-feira, um dia depois que o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, anunciou o início da “fase final” na tentativa da oposição de tomar o poder no país latino-americano. O telefonema foi uma iniciativa dos EUA, com outras questões, incluindo futuros contatos diplomáticos russo-americanos. Aa situação humanitária na Síria também abordada, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.



Em suas declarações no início do dia, Pompeu enfatizou que “a ação militar é possível. Se isso é o que é necessário, é o que os Estados Unidos farão”. O Ministério do Exterior russo rejeitou a alegação de Pompeo de que Moscou supostamente convenceu o presidente Nicolás Maduro a não fugir de seu país para Cuba.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, chamou a alegação de “fake”, que era apenas parte da guerra de informação dos EUA contra o país latino-americano. As autoridades venezuelanas também rejeitaram a alegação de Pompeo como “notícias falsas”, acrescentando que demonstraram o fracasso da “tentativa de golpe apoiada pelos EUA”.



Na terça-feira, a oposição da Venezuela se reuniu em Caracas, conclamando os militares a se juntarem a eles para a “fase final” de sua campanha “Operação Liberdade” para derrubar o governo de Maduro. Os confrontos entre a oposição e as forças de segurança deixaram pelo menos 69 pessoas feridas e levaram o presidente Maduro a anunciar na televisão que ele havia indicado procuradores para investigar uma tentativa de golpe no país.

Juan Guaidó proclamou-se presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro, duas semanas após a posse do presidente Maduro para um segundo mandato após as eleições de maio de 2018. Guaidó foi imediatamente reconhecido pelos EUA e seus aliados latino-americanos e europeus, além do Canadá, enquanto a Rússia, a China e dezenas de outros países expressaram seu apoio a Maduro, ou pediram a não-interferência nos assuntos internos da Venezuela.

Apedido dos EUA, Rússia deve abandonar o apoio ao ditador Maduro que deve cair em questão de horas






Acompanhe AO VIVO as últimas notícias da crise na Venezuela:




"A iminente queda de do ditador Maduro" 

Atualizado; 02/05 as12:01hrs Maduro convoca militares para ‘combater qualquer golpista’

“A hora de lutar chegou, chegou o momento de dar um exemplo para a história e para o mundo e dizer que na Venezuela há uma Força Armada leal,
-O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta quinta-feira às Forças Armadas que lutem contra “qualquer golpista”, após uma insurreição militar fracassada liderada pelo líder da oposição Juan Guaidó.

“Sim, estamos em combate, moral máxima nessa luta para desarmar qualquer traidor, qualquer golpista”, disse Maduro em ato com milhares de soldados, transmitidos pela televisão, em que o alto-comando militar reiterou sua lealdade.

Repetindo o slogan “sempre leal, traidores nunca”, o presidente assinalou que não deve haver medo frente a obrigação de desarmar as conspirações da oposição e os Estados Unidos.




Quarta-feira, atualizado; 19:38hrs -Maduro convoca autoridades e organizações para ‘corrigir os erros’
Nicolás Maduro disse que, no próximo sábado e domingo, vai reunir organizações sociais, partidos socialistas, governadores e prefeitos para ouvir propostas de mudanças do regime.


“Quero convocar uma grande jornada nacional de diálogo, de ação e de propostas de todo o poder popular para que digam o que devemos mudar, no grande plano de revolução bolivariana.  Quero assumir um plano para mudar, para corrigir os erros. Um grande plano de mudança, de correção, surgido do poder popular”, afirmou.






O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, ligou para o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, para pedir o fim do apoio militar a Nicolás Maduro, informa a Reuters.

Segundo a agência, disse que a aliança desestabiliza a Venezuela e coloca em risco a relação bilateral dos Estados Unidos com a Rússia.




-A crise venezuelana continua a marcar parte da agenda do Governo dos EUA. O chefe de Estado-Maior, general Joseph Dunford, disse nesta quarta-feira que a situação é "um pouco confusa" e que o Exército está "reunindo informações de inteligência para ter uma boa perspectiva", caso o presidente Donald Trump solicite.

O presidente Jair Bolsonaro aliado dos EUA, disse que, os relatos que chegaram ao Brasil são de que o comando militar venezuelano está rachado.


Guaidó discursa durante protesto em Caracas nesta quarta-feira 


-Alerta! A tentativa de depor Nicolas Maduro do Governo impulsionou a migração venezuelana ontem para o Brasil. Conforme o governo brasileiro, 848 venezuelanos deram entrada em Pacaraima (RR) . A média diária era de 300.

EUA preparam medidas militares para derrubar Nicolás Maduro

EUA preparam medidas militares para derrubar Nicolás Maduro



As autoridades americanas com as quais Ernesto Araújo se encontrou ontem falaram em “medidas militares” para derrubar Nicolás Maduro, informa Igor Gadelha na Crusoé.

Segundo interlocutores do chanceler brasileiro, porém, elas não deram detalhes do que pretendiam fazer.


-As autoridades americanas com quem o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo (foto), se encontrou na segunda-feira, 29, falaram em “medidas militares” para derrubar o ditador Nicolás Maduro da Venezuela com o chanceler brasileiro. Mas não deram detalhes do que pretendiam fazer, segundo interlocutores de Araújo.

Bolsonaro destina 224 milhões para operação em apoio a Venezuelanos



O presidente Jair Bolsonaro acaba de autorizar a abertura de crédito extraordinário de R$ 223,8 milhões em favor do Ministério da Defesa para a chamada Operação Acolhida, em apoio aos milhares de venezuelanos que buscam abrigo no Brasil.


O valor está descrito em medida provisória publicada hoje em edição extra do Diário Oficial.

A operação envolve 12 ministérios, além de governos estaduais, prefeituras, sociedade civil e organismos internacionais.

Inclui abrigo a 6 mil venezuelanos em Roraima, com o fornecimento de três refeições por dia. Interiorização de outros 5 mil venezuelanos, com assistência no registro civil, emissão de CPF, vacinação, regularização migratória, auxílio jurídico etc.


Confira abaixo o texto da MP:

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 880, DE 30 DE ABRIL DE 2019

Abre crédito extraordinário, em favor do Ministério da Defesa, no valor de R$ 223.853.000,00, para os fins que especifica.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62, combinado com o art. 167, § 3º, da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

Art. 1º Fica aberto crédito extraordinário, em favor do Ministério da Defesa, no valor de R$ 223.853.000,00 (duzentos e vinte e três milhões, oitocentos e cinquenta e três mil reais), na forma do Anexo.

Art. 2º Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 30 de abril de 2019; 198º da Independência e 131º da República.

JAIR MESSIAS BOLSONARO

Paulo Guedes

Rússia instalou um número indeterminado de mísseis antibalísticos S-300 na Venezuela, Trump diz que vai usar a força



A Rússia instalou um número indeterminado de mísseis antibalísticos S-300 na Venezuela. A descoberta foi feita pela ISI (Image Satellite International), de Israel. As armas, de forte poder de dissuasão,  estão na Base Aérea Captain Manuel Rios, no estado de Guarico, ao sul de Caracas.



Relatórios reservados das forças de segurança israelenses transmitidas a Washington sugerem que os S-300 estão em prontidão operacional depois de realizar uma série de testes. Os russos também levaram para a Venezuela seu temido míssil multicanal 9532E, conhecido como caçador de Tomahawks.

Os Tomahawks são uma das principais armas de ataque dos Estados Unidos. Porém, apesar da sua potência, não surtiram efeito em regiões de conflito, sendo facilmente abatidos pelos 9532E.



Essas armas, preparadas inicialmente para rechaçar eventuais ataques – Donald Trump, presidente americano, diz que pode usar a força para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder -, têm também um suporte de contra-ataque a longas distâncias. Analistas militares entendem que se Washington decidir realmente invadir Caracas, poderá sofrer graves revezes.



Para garantir a defesa do seu aliado, Moscou já havia feito chegar a Caracas os aviões de combate Sukhoi Su-30MKV. O último carregamento de armamentos, concluído no domingo, 24, incluiu cerca de 30 toneladas de bombas. Os investimentos russos na Venezuela, só na área de defesa, somam cerca de 2 bilhões de dólares.

Brasil pode ser aliado forte em intervenção militar dos EUA na Venezuela

Brasil pode ser aliado forte em intervenção militar dos EUA na Venezuela



Ao final de seu primeiro encontro com o líder americano, Donald Trump, nesta terça-feira, 19, o presidente Jair Bolsonaro sinalizou com a possibilidade de o Brasil aderir a uma solução militar dos Estados Unidos para a crise da Venezuela. Trump voltou a dizer que “todas as opções estão sobre a mesa”.



O americano já havia mencionado querer o Brasil como seu maior aliado de seu país fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte e, “quem sabe, dentro da Otan”.



O presidente brasileiro agradeceu especialmente o apoio dos Estados Unidos ao ingresso do país à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Solicitado em 2017, esse acesso tem sido barrado por Washington. Diante da imprensa, Trump novamente verbalizou este apoio. 




Ditador Maduro demite todos os seus Ministros



O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou aos ministros para renunciarem aos seus cargos a fim de realizar uma profunda reestruturação do Governo, informou a vice-presidente Delcy Rodríguez.

"O ditador deu o veredito a todo o Gabinete Executivo para colocar seus cargos à disposição a fim de uma profunda reestruturação dos métodos e funcionamento do governo bolivariano, para proteger a Pátria de Bolívar e Chávez perante qualquer ameaça".



No dia 15 de março o o ditador anunciou nas emissoras de rádio e televisão que iria realizar alterações no seu Governo nos próximos dias para aprofundar a aproximação das autoridades aos cidadãos.




Maduro acaba de prender Jornalista americano



O jornalista americano Cody Weddle, colaborador de veículos como Miami Herald e The Telegraph, e seu ajudante venezuelano, Carlos Camacho, foram presos em Caracas por membros do serviço de inteligência da Venezuela.



A denúncia foi feita por ONGs e associações de imprensa, relata a Folha.

Weddle, de 28 anos de idade, mora há quatro anos em Caracas e vinha produzindo reportagens sobre as crescentes tensões entre o governo do ditador Nicolás Maduro e seu principal opositor, Juan Guaidó.



O Departamento de Estado americano exigiu a soltura imediata do jornalista e disse que Maduro prefere “sufocar a verdade, em vez de encará-la”.


Com eventual invasão dos EUA na Venezuela,  Exército Brasileiro realiza treinamento de sobrevivência na floresta amazônica

Com eventual invasão dos EUA na Venezuela, Exército Brasileiro realiza treinamento de sobrevivência na floresta amazônica



Novos integrantes da 1ª Brigada da Infantaria do Exército Brasileiro realizaram treinamento de sobrevivência na floresta amazônica entre entre 18 e 22 de fevereiro.



No total, 131 oficiais, subtenentes e sargentos recém-transferidos para a guarnição de Boa Vista participaram de atividades para atuar na selva, como obtenção de alimentos de origem animal e vegetal, ofidismo, orientação em ambiente de selva, transposição de cursos d’água, construção de abrigos improvisados e montagem de armadilhas. 



O objetivo dos exercícios do 1º turno do Estágio de Adaptação à Vida na Selva (EAVS) 2019 é preparar a Brigada de Infantaria para o combate e a sobrevivência na floresta. 



Além disso, as atividades da 1ª Brigada da Infantaria do Exército Brasileiro na selva amazônica tiveram como objetivo transmitir conhecimentos técnico-profissionais aos futuros instrutores e monitores das organizações militares, desenvolver a liderança dos comandantes de pequenas frações, por intermédio de instruções que auxiliarão no exercício de comando de pelotões e grupos.




Rússia ameaça países que forem contra a Venezuela e EUA não veem papel para Maduro no futuro do país



O CLIMA ESQUENTOU!

O embaixador da Rússia na Venezuela, Vladimir Zayemski, disse hoje que, se tentarem impedir as companhias russas de investirem na economia venezuelana, seu país reagirá da maneira mais dura.



Os russos, que têm participação em minas de ouro e em campos de petróleo e gás venezuelanos, são talvez o principal aliado internacional da ditadura de Nicolás Maduro.

Desde que a comunidade internacional manifestou seu apoio a Juan Guaidó, o governo de Vladimir Putin sustenta que os EUA têm uma “obsessão com a deposição” do chavismo.



-O enviado especial da Casa Branca para a Venezuela, Elliott Abrams, disse hoje que é difícil ver um papel para o ditador Nicolás Maduro na construção de uma democracia no país.

“Se ele quisesse construir uma Venezuela democrática, teve a oportunidade para fazê-lo, mas não fez”, disse Abrams a jornalistas, segundo O Globo.



Rússia diz que ‘fará o possível’ para impedir intervenção dos EUA na Venezuela

Rússia diz que ‘fará o possível’ para impedir intervenção dos EUA na Venezuela



Valentina Matviyenko, presidente do Senado da Rússia, se reuniu neste domingo, em Moscou, com Delcy Rodríguez, vice-presidente venezuelana.

No encontro, Matviyenko garantiu que a Rússia “fará o possível” para impedir uma intervenção militar dos Estados Unidos na Venezuela.



“Em grande parte, nos preocupa que os Estados Unidos possam realizar qualquer provocação para causar derramamento de sangue e encontrar, assim, uma desculpa e um motivo para intervirem na Venezuela. Mas nós faremos o possível para que isso não ocorra”, disse a senadora.

Impedido de usar território brasileiro, EUA prepara 'exército de libertação' na Colômbia para libertar a Venezuela




O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse nesta segunda-feira (25) logo após deixar a reunião do Grupo de Lima que o Brasil não vai permitir que os Estados Unidos usem o território brasileiro em uma eventual intervenção militar na Venezuela.




"Qualquer presença militar estrangeira dentro do território nacional tem que ser autorizada pelo Congresso Nacional. E o governo é contrário a essa posição", respondeu Mourão ao ser perguntado sobre o assunto durante uma entrevista à GloboNews.



Os EUA estão armando desertores venezuelanos para formar o chamado "exército de libertação", e assim invadir o país bolivariano, afirmou a repórteres o embaixador venezuelano na ONU, Samuel Moncada.



"Do território colombiano […] eles estão armando o chamado exército de libertação venezuelano para penetrar no território venezuelano com supostos desertores", disse Moncada na quinta-feira (28).



Além disso, o embaixador acrescentou que Washington está exagerando ao alegar que há milhares de desertores venezuelanos, apenas pelo fato de que eles estão fabricando seu próprio exército, semelhante aos grupos insurgentes de oposição "Contras", apoiados pelos EUA, que lutaram contra o governo sandinista após a revolução da Nicarágua na década 80.
Para Moncada, todos esses esforços fazem parte dos planos americanos para uma operação clandestina contra Caracas.



Já em relação à posição de Trump quando este disse que "todas as opções estão sobre a mesa", tal é visto como uma ameaça de uso de força militar para derrubar o governo do presidente reeleito Nicolás Maduro, segundo o enviado.


Maduro já ta borrado, pede reunião com Trump para não entrar em guerra





O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, pediu nesta quarta-feira (27) em pronunciamento no Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas), em Genebra, que seja marcada uma reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e Nicolás Maduro, para buscar uma saída para a crise que assola o país sul-americano. As informações são do jornal venezuelano El Universal.



"Voltamos a fazer esta denúncia [de agressão contra a Venezuela] e voltamos a abrir o caminho para o diálogo com os Estados Unidos", afirmou Arreaza. "Temos que parar esta guerra", acrescentou.

Ele mencionou que, em uma reunião do Conselho de Segurança da entidade, a delegação norte-americana se recusou a reconhecer seu apoio à Carta das Nações Unidas no que diz respeito "à rejeição do uso da força e da ameaça" contra a Venezuela. 



Arreaza também considerou que as sanções internacionais impostas com o objetivo de "derrubar um governo eleito" constituem uma violação das normas do Direito Internacional. 

Ditador Maduro deve ser levado à Corte Penal Internacional por 'crime contra a humanidade'



Os 13 países reunidos em Bogotá pediram para o Tribunal considerar 'a grave situação da Venezuela e a negação do acesso à assistência humanitária' como 'crime contra a humanidade' noticia o Estadão.

O Grupo de Lima pediu nesta segunda-feira, 25, ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para que “leve em consideração a grave situação da Venezuela e a negação do acesso à assistência humanitária” por parte do governo de Nicolás Maduro, que assim cometeria um "crime contra a humanidade".



A resolução foi aprovada ao término da reunião do grupo de 13 países, realizada em Bogotá. Na declaração final, com 18 pontos, lida pelo chanceler da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, o Grupo de Lima pede ao TPI para considerar como “violência criminosa” de Nicolás Maduro contra a população civil do país.



O Grupo de Lima, criado, em 2017, por iniciativa do governo peruano, tem o objetivo de pressionar o regime Nicolás Maduro a restabelecer a democracia na Venezuela. Além de Brasil e Peru, fazem parte do grupo Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá e Paraguai.

Os países que integram o Grupo de Lima se reuniram nesta segunda-feira, 25, em Bogotá, na Colômbia, para discutir o cerco diplomático a Maduro depois dos confrontos registrados na fronteira durante a tentativa de entrega de ajuda humanitária ao país.



O encontro contou com a presença do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, reconhecido como líder legítimo do país por 50 países.

Maduro anuncia fechamento de fronteira da Venezuela com Brasil, nem o Jean Wyllys pode ir para lá



O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quinta-feira (21) o fechamento de fronteira com o Brasil.

Anteriormente havia sido relatado o reforço da presença militar venezuelana na fronteira com o Brasil

O governo brasileiro anunciou nesta semana uma força-tarefa para entregar ajuda humanitária à Venezuela junto com os Estados Unidos. Nicolás Maduro considera a entrega de ajuda humanitária internacional como uma intervenção na política interna do país. 



O dia 23 de fevereiro, que marca um mês da autoproclamação de Guaidó, é a data limite anunciada pelo mesmo para a entrada de ajuda humanitária norte-americana na Venezuela, bloqueada na fronteira pelo presidente Nicolás Maduro, que vê na manobra um pretexto e uma possível estratégia para forçar uma derrubada do seu governo.



Em meio a esse impasse, Maduro afirmou, na noite de ontem, que a Venezuela já recebe ajuda humanitária com frequência e que a Rússia estaria preparando a entrega de 300 toneladas de assistência no aeroporto de Caracas na próxima quarta-feira.

-Neste caso, até o Jean Wyllys está proibido de refugiar-se na Venezuela.


DETALHES A SEGUIR

MADURO MANDA TANQUES PARA FRONTEIRA COM O BRASIL



Maduro anuncia fechamento de fronteira da Venezuela com Brasil.


Duda Teixeira, na Crusoé, informa que Nicolás Maduro enviou cinco tanques de guerra em cima de caminhões para a cidade de Santa Helena de Uairén, na fronteira com o Brasil.



A ditadura de Nicolás Maduro, na Venezuela, enviou para a cidade de Santa Helena de Uairén, na fronteira com o Brasil, cinco tanques de guerra em cima de caminhões (foto). O comboio foi escoltado pelo Exército. Os tanques foram fotografados na quarta-feira, 20, por um assistente da Assembleia Nacional, Jesus Hernandez. O objetivo de Maduro, é impedir que a ajuda humanitária dos EUA  chegue a Venezuela.

Atualizado; O ditador fechou a fronteira com o Brasil

-Ele está acuado e louco.

Estados Unidos concentram tropas junto à fronteira da Venezuela



O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, acusou os Estados Unidos de concentrarem tropas junto à fronteira da Venezuela.

Anteriormente Rodríguez já tinha informado que aviões de transporte militares da Força Área dos EUA realizaram voos para as ilhas do Caribe, provavelmente sem os governos desses países estarem sabendo. Estes aviões decolaram de bases militares dos EUA, onde estão instaladas unidades de forças especiais e de fuzileiros navais "usadas para realizar operações secretas, incluindo operações contra dirigentes de outros governos".



"Posso reiterar que conto com todos os dados que me permitem afirmar que estão sendo realizados voos de bases americanas, onde há unidades de operações especiais do exército e de fuzileiros navais usadas para desta natureza, em preparação de ações contra a Venezuela", disse Rodriguez em entrevista coletiva em Havana transmitida no portal Granma.



Segundo o ministro cubano, esses voos nada têm a ver com a prestação de assistência humanitária à Venezuela, promovida por parte da comunidade internacional.
Também no seu discurso, o ministro relatou que "o governo dos Estados Unidos continua exercendo pressão sobre os Estados membros do Conselho de Segurança da ONU para forçar a adoção de uma resolução que seria o prelúdio de uma "intervenção humanitária".



De acordo com Rodríguez, tal resolução inclui o diagnóstico de uma situação de violação da paz e segurança da nação venezuelana e insta todos os atores da política internacional a usar as medidas necessárias.

Vídeo; Maduro dispara um Míssil na Venezuela, como ofensa aos EUA

Vídeo; Maduro dispara um Míssil na Venezuela, como ofensa aos EUA




Durante os exercícios militares Angostura-200, realizados na Venezuela, foi testada a prontidão de combate dos sistemas de defesa antiaérea do país e realizados lançamentos de mísseis do sistema Buk-M2E, informa o portal Russkoe Oruzhie.



De acordo com portal, este sistema é atualmente considerado um dos melhores do mundo, sendo capaz de destruir diferentes tipos de aeronaves: desde aeronaves de assalto blindadas até caças modernos e bombardeiros estratégicos. Também pode abater facilmente helicópteros de combate dos diversos tipos.



Na operação cívico-militar Angostura-200 realizamos um preceito fundamental do comando central — integrar para vencer. É assim que os complexos de mísseis BUK M2E são implantados, com as restantes Forças Armadas mostrando seu poder como garantia de paz

Outra especialização do sistema é a luta contra mísseis balísticos e de cruzeiro, bem como bombas guiadas. O sistema também não receia interferências eletrônicas.


Como indica portal, a Venezuela possui o sistema de defesa aérea mais poderoso da América Latina: além do Buk-M2E, ela tem também sistemas Petchora-2M e Antei-2500, instalações antiaéreas modernizadas de pequeno calibre ZU-23-2M, bem como as portáteis Igla-S, que permite cobrir o céu contra qualquer agressão.